Torneio Tribruxo

Página 2 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Sab Jan 23, 2016 9:36 pm

- Não é um encontro, Ana! Por Merlim! Você vê maldade em tudo!

Apesar da certeza refletida na entonação de Florence, as insinuações da irmã conseguiram despertar o monstrinho da dúvida na cabeça da francesa. Enquanto se arrumava para o esperado passeio até Hogsmeade, Legrand tentou resgatar na memória o momento em que recebera o convite de Charles Weasley.

Nas lembranças de Florence, o ruivo parecia bastante amigável durante a oferta de acompanhá-la até o povoado. Charlie não mencionara nenhum plano de caráter mais pessoal, tampouco tentara nenhum tipo de aproximação mais íntima. O contato com o grifinório fora muito breve, mas Florence preferia dar um voto de confiança a Charlie e descartar a possibilidade do ruivo transformar aquele passeio numa constrangedora oportunidade de forçar uma aproximação.

Mesmo com a certeza de que não era um encontro, Florence se arrumou um pouco mais do que o que seria natural. O vestido xadrez tinha as mangas compridas e quase alcançava os joelhos da loira. As cores predominantes da estampa eram um tom escuro de vermelho, branco e preto. As meias grossas também eram pretas, assim como as botas sem salto escolhidas pela francesa. Os cabelos claros foram deixados soltos, com os fios escorrendo lisos pelas costas de Florence. As pontas dos cabelos se tornavam levemente onduladas, mas não chegavam a formar cachos.

Como todas as garotas vindas de Beauxbatons, Florence era naturalmente bonita. Mas a sua beleza ficou ainda mais realçada quando um amplo sorriso surgiu em seus lábios no instante em que as íris azuis avistaram Charlie Weasley.

- Oi. – o cumprimento soou tímido e talvez a presença de Anastasia tivesse feito Florence desistir de saudar o britânico com um beijo no rosto – Desculpe a demora, espero que não tenha esperado demais.

Ao contrário de Anastasia, Florence não reparou de imediato nas roupas surradas usadas pelo ruivo. Charlie tinha tantas qualidades que aquele era um “detalhe” que passava despercebido aos olhos de Legrand.

- A Ana decidiu de última hora juntar-se ao grupo que irá a Hogsmeade. Ela está mesmo precisando se distrair.

“E parar de pensar em bobagens!” As palavras não saíram pelos lábios de Florence, mas o olhar que ela lançou à irmã falava aquilo por ela. As duas tinham uma sintonia tão grande que não era incomum que se comunicassem com um simples olhar.

A presença de Percy também contribuiu para que Florence se distraísse. O sorriso dela se alargou ainda mais para aquela amostra em miniatura de Charlie. A loira se inclinou um pouco para conversar com o Weasley mais novo, achando adorável a maneira como as sardas se espalhavam pelo rostinho dele.

- Não fique triste, eu também vou trazer doces para você. E logo você terá idade para passear em Hogsmeade também. Charlie sempre te traz chocolate? Ele parece ser um ótimo irmão mais velho.

- Mas o Charlie não é o meu irmão mais velho. – Percy começou a tagarelar – Bill é o mais velho, ele já saiu da escola. Depois vem o Charlie e eu. Aí depois vem os gêmeos, Fred e George. Eles vão vir para Hogwarts no ano que vem, sabia? Depois deles, vem o Rony. E por último a Ginny.

A surpresa foi tanta que Florence não conseguiu disfarçar a expressão de espanto. Ao fim da descrição de Percy, suas sobrancelhas estavam arqueadas enquanto a francesa contabilizava mentalmente todos os nomes mencionados pelo ruivinho. Sete Weasley’s, nove pessoas na mesma casa contando com os pais. Florence não estava acostumada com famílias tão grandes e chegava a ser bizarro pensar que, naquela época, um casal tivera sete filhos.

- Uau.

Um sorriso divertido surgiu nos lábios de Legrand quando ela finalmente conseguiu digerir aquela situação improvável.

- Deve ser uma casa bem grande e animada, não é?
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Sab Jan 23, 2016 10:12 pm

Apesar de não saber ao certo os motivos que levaram Florence a aceitar o convite do passeio a Hogsmead, Charles se sentia ansioso por ter conseguido uma tarde ao lado da francesa. Os rapazes de Hogwarts estavam se acotovelando na tentativa de um minuto de atenção das meninas da Beauxbatons e ele havia conseguido um “sim” de Legrand.

O ruivo nunca teve grandes dificuldades quando o assunto era o público feminino. Mesmo que Bill sempre tivesse sido o “Weasley preferido” das meninas de Hogwarts, ele também tivera algumas conquistas ao longo dos anos no castelo, embora seu maior foco sempre estivesse no Quadribol ou em Criaturas Mágicas.

Ser visto ao lado de Florence certamente o tornaria em um herói diante dos olhos dos demais rapazes, mas aquele era o último pensamento a cruzar sua mente enquanto aguardava a chegada da francesa. Quando seus olhos finalmente a alcançaram, Charles se surpreendeu como sua memória havia falhado na tentativa de gravar a beleza da loira.

A presença de Anastasia foi percebida com surpresa, como se fosse uma vozinha lhe dizendo para não criar tantas expectativas no dia que ainda estava começando. Mesmo assim, Charlie recebeu as duas irmãs com um sorriso nos lábios.

Foi apenas quando Percy descreveu toda a árvore genealógica dos Weasley que o lábio inferior de Charlie tremeu em surpresa, as íris escurecendo levemente. Ele jamais havia sentido vergonha da família. Era de conhecimento de todos a quantidade exagerada de filhos que Arthur e Molly colocavam no mundo, e o rapaz estava acostumado a críticas e piadinhas, mas amava os pais e os irmãos mais do que qualquer coisa.

Apenas desejava que tivesse tido um momento mais oportuno para introduzir a assunto a Legrand. Talvez, se ele colocasse um tom brincalhão nas palavras, o susto pudesse ser menor e ela não fosse sair correndo no mesmo instante, horrorizada.

Seus ombros ficaram tensos e ele prendeu a respiração quando a surpresa ficou evidente em cada traço delicado da francesa, mas quando ela sorriu, Charlie relaxou enquanto soltava o ar lentamente. Mais uma vez, Florence o surpreendia, exatamente como havia sido na aula de Criaturas Mágicas.

- É um campo de batalha. – Charlie concordou, voltando a exibir seu largo sorriso.

Antes de seguir o caminho até Hogsemad, Charles esticou a mão até os cabelos vermelhos de Percy, bagunçando com seus dedos largos.

- Comporte-se, Percy! Não perca pontos para a Grifinória enquanto eu estiver longe, está bem?

O ruivinho acompanhou os três se afastarem com um olhar frustrado, e apenas quando eles sumiram de vista, virou as costas para voltar ao castelo, os ombros baixos.

O caminho até Hogsmead foi feito em poucos minutos, e no instante em que alcançaram a rua principal, já cheia de adolescentes onde podiam captar alguns sotaques diferentes dos alunos estrangeiros, Charlie indicou com o queixo no caminho diante deles.

- A loja de animais fica no final da rua. Mas vocês também precisam conhecer a Dedosdemel e o Três Vassouras. A Zonko’s também, definitivamente.

Enquanto andavam lado a lado, Charlie olhou para as duas loiras, reparando na semelhança física. Apesar de gêmeas não idênticas, era fácil perceber que a diferença ia além da cor dos olhos das duas. As expressões de Flor eram mais suaves e o sorriso tão natural que era capaz de aquecer o coração de qualquer um. Enquanto Anastasia olhava tudo ao redor com um olhar curioso, estudando cada centímetro com uma expressão mais fechada.

- Você também gosta de animais, Anastasia?

A campeã da Beauxbatons virou o rosto, sendo arrancada de seus devaneios, e encarou o ruivo por alguns segundos até compreender o que ele havia acabado de dizer.

- Não. São muito sujos. Mas preciso admitir que alguns são extremamente interessantes, com utilidades mágicas incríveis.

As sobrancelhas cor de ferrugem foram erguidas diante da sinceridade da francesa e Charlie encarou Florence como se questionasse se ela fosse sempre tão direta.

- Bom, posso mostrar a Dedosdemel primeiro, se vocês preferirem. Por onde quer começar, Florence?
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Liam Mellish em Sab Jan 23, 2016 10:50 pm

A última coisa que Oliver queria era distrair a mente em Hogsmeade. Geralmente ele adorava os passeios até o vilarejo, mas a tensão dos últimos dias não lhe dava muito tempo para pensar em lazer. E talvez fosse exatamente por isso que Nymphadora Tonks praticamente arrastou o amigo até o povoado naquele sábado.

- E esta cara de traseiro gordo de trasgo?

- Não enche, Tonks. – Oliver olhou por cima do ombro a estradinha que o levaria de volta a Hogwarts – Eu acho que vou voltar. Tenho um milhão de coisas para estudar, dezenas de feitiços para praticar!

- Nem pense nisso!

A lufana puxou a cabeça de Wood, obrigando-o a encará-la. As sobrancelhas de Nymphadora estavam tão verdes quanto os seus cabelos naquela manhã, mas nem esta aparência bizarra disfarçava a sincera preocupação que a metamorfomaga sentia pelo melhor amigo.

- Você vai enlouquecer se não relaxar, Oliver. Não dá pra continuar assim. Você não come, não dorme direito! Não percebe que é uma forma muito imbecil de se preparar para a missão? O desafio do torneio certamente vai exigir habilidades em magia, mas antes de usar a varinha você precisa estar acordado e apoiado nas próprias pernas!

As feições de Wood se contorceram numa careta de desagrado, mas a ausência de uma resposta atrevida mostrava que no fundo ele concordava com Tonks. Seu corpo estava cansado e a mente ficava mais exausta e tensa a cada dia. O grifinório realmente enlouqueceria se não tirasse algumas horas para relaxar.

- Cerveja amanteigada.

A voz de Oliver soou depois de alguns segundos de silêncio e ele mudou drasticamente a direção da caminhada, seguindo no rumo do Três Vassouras.

- Eu preciso de uma cerveja.

- Sem dúvida você precisa. – Tonks girou os olhos e se pôs a seguir os passos do amigo – E eu preciso de chocolate. Passaremos na Dedosdemel, então espero que saia do Três Vassouras andando!

Como de costume, o bar estava lotado quando os dois jovens empurraram a porta. Praticamente todas as mesas já estavam ocupadas pelos alunos mais velhos de Hogwarts. Oliver e Nymphadora avistaram vários colegas com quem poderiam dividir a mesa, mas Wood apenas acenou para os amigos antes de ocupar um dos bancos em frente ao balcão. Tonks o acompanhou silenciosamente, entendendo que o amigo queria fugir do batalhão de perguntas sobre o Torneio Tribruxo.

Madame Rosmerta serviu duas generosas canecas com cerveja amanteigada para os jovens antes de se afastar, rodeada por cinco bandejas que flutuavam ao seu redor, completamente lotadas de copos.

- Você realmente não está bem... – Nymphadora comentou antes de dar um gole em sua caneca – Pela primeira vez na vida, você não deixou a Rosmerta constrangida com seus olhares para o decote dela.

- Dora. Não enche.

- Você está chato hoje, sabia? Mais chato que o normal.

- Eu estou preocupado! – os olhos de Wood se estreitaram – Afinal, em uma semana serei eu diante do tal desafio proposto pelo torneio!

- Você sempre disse que ganhar não era a sua prioridade.

- E não é. – Oliver parecia sincero quando completou – Não faço a menor questão de ganhar. Mas isso não quer dizer que quero ser massacrado. Se eu tiver um desempenho vergonhoso nas provas, vou ganhar uma fama que não me ajudará em nada!

- Relaxa, Oliver. – a lufana adquiriu um ar mais sério – Você é bom. Você vai se sair bem. Tenta esfriar a cabeça, certo? Eu vou ao banheiro, não demoro.

De fato, Nymphadora não demorou. Ela reapareceu no balcão tão rapidamente que Oliver lançou um olhar surpreso à amiga. O semblante dele se tornou preocupado diante da expressão chocada de Tonks.

- O que houve?

- Shhhh!

- O que houve? – Oliver repetiu em entonação mais baixa.

- Eu estava indo para o banheiro quando, acidentalmente, ouvi uma conversa dentro da sala de estoque do bar.

- Acidentalmente? Sei... Qual é a fofoca?

- Ouvi o Karkaroff conversando com alguém sobre a primeira prova do torneio. Não reconheci a segunda voz, mas era alguém que sabia qual era o desafio, Oliver!

Por um breve momento, Wood imaginou que a amiga estivesse brincando. Mas o grifinório só precisou de alguns segundos para concluir que Tonks não brincaria com algo tão sério. E nem mesmo os seus poderes de metamorfomagia eram capazes de deixá-la tão pálida.

- E...?

- Dragões. Vocês terão que enfrentar dragões!

- QUE???

- Shhhh! – Tonks o acertou com um potente tapa no braço – Controle-se!

- Como eu vou enfrentar um dragão??? É um dragão de verdade???

- Não, é um bichinho de pelúcia... – os olhos de Nymphadora giraram com impaciência – Mas é CLARO que é de verdade, seu animal! E eu não faço ideia de como você pode vencer um dragão, mas temos uma semana para pensar em alguma coisa.

A respiração de Wood se tornou mais ruidosa enquanto sua mente trabalhava agilmente na digestão daquela novidade. Era aterrorizante pensar que, em uma semana, ele estaria em frente a um dragão. Mas esta era uma informação valiosa. Se encarasse a prova às cegas, Oliver sabia que não tinha a menor chance.

Como a sua garganta estava seca depois daquele susto, Wood esvaziou o restante da caneca em um só gole. Seu semblante estava sério e decidido quando o grifinório se colocou de pé.

- Aonde você vai, Oliver?

- Procurar a Legrand.

- Para...?

- Para contar a ela sobre os dragões.

- O QUEEE? Perdeu o juízo??? A cerveja estava forte demais???

Oliver sacudiu a cabeça e respirou fundo. Era difícil tomar aquela decisão, mas era a saída mais honesta para aquela situação. Ele e Bellamy teriam vantagem sobre Anastasia na prova e Wood não queria aquela mancha em sua vitória.

- Eu sei. Karkaroff sabe, vai contar para o Bellamy e vai prepará-lo para o desafio. É injusto que só a Legrand chegue à prova sem saber o que espera por ela.

- Maldita nobreza grifinória. – Tonks bufou, mas no fundo concordava com o amigo – Vou terminar a minha cerveja. Encontro você na Dedosdemel.
avatar
Liam Mellish

Mensagens : 158
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Sab Jan 23, 2016 11:50 pm

Como sabia que a irmã não compartilhava de seu gosto por animais, Florence optou por inicialmente seguir caminho até a Dedosdemel. A loja de doces não era citada em “Hogwarts, uma História”, mas as francesas tinham ouvido tanto aquele nome na última semana que era como se já conhecessem o local. Sem dúvida, a loja era uma parada imperdível para qualquer estrangeiro que visitasse Hogsmeade.

Enquanto caminhava pelas ruas movimentadas do vilarejo, Florence dividia a sua atenção entre a bela paisagem e Charlie Weasley. Os olhares para o ruivo eram bem mais discretos, mas a loira não perdia a oportunidade de reparar melhor as feições do britânico.

Charles tinha uma beleza diferente. Talvez Anastasia e as demais garotas de Beauxbatons discordassem desta opinião, mas Florence conseguia enxergar com clareza as qualidades do grifinório. Além dos cabelos vermelhos incomuns e do belo par de olhos azuis, Charlie tinha uma expressão amena, um sorriso sincero e um brilho no olhar que realçava ainda mais os seus traços.

Legrand foi obrigada a abandonar tais divagações no instante em que pisou na Dedosdemel. Foi impossível disfarçar a surpresa diante das prateleiras completamente lotadas de doces. A loja estava absurdamente lotada e era até difícil caminhar sem esbarrar em ninguém, mas nem por um momento Florence pensou em recuar. Tal como todos descreviam, a Dedosdemel era uma amostra grátis do paraíso.

A grande maioria dos doces ofertados pela loja eram completamente desconhecidos por Legrand. Obviamente havia lojas parecidas na França, mas a Dedosdemel superava quaisquer experiências anteriores de Florence com doces. Exatamente por isso, os olhos dela brilhavam enquanto a loira se espremia pelos corredores abarrotados de clientes.

- Bombas de caramelo... Parece bom.

O comentário soou naquela entonação carregada de sotaque francês e Florence lançou um olhar para Charlie, esperando que o ruivo confirmasse as suas suspeitas. Logo em seguida, a loira puxou duas embalagens para a sua sacola.

- E os famosos feijoezinhos de todos os sabores! Isso não existe na França, sabia? Embora eu já tenha escutado alguns sabores nada apetitosos, vou me arriscar.

Desta vez, Florence pegou apenas uma embalagem. Era apenas para não retornar para a França sem provar as famosas balas inglesas.

- Soluços doces, fios dentais de menta... – a loira pensava alto enquanto circulava pelos corredores da Dedosdemel – Varinha de alcaçuz, sapos de chocolate! Vou precisar de ajuda para escolher, Charlie! Tudo parece ótimo!
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Anastasia Legrand em Dom Jan 24, 2016 12:04 am

A primeira parada do dia havia sido na Dedosdemel, e sempre com os olhos muito atentos, Anastasia teve que admitir para si mesma que o lugar era incrível. A variedade de doces era apenas uma das atrações da loja abarrotada de alunos. Toda sua decoração, vitrine, prateleiras, cada canto era repleto de cores atrativas e efeitos mágicos espetaculares.

Na França, Ana estava muito acostumada com as dezenas de casa de chá que serviam as sobremesas mais divinas, mas ela não conseguia se lembrar de nenhum lugar tão jovem e divertido como aquele.

Sem perceber, a loira se afastou da irmã e de Charles enquanto os olhos azuis passeavam pelas prateleiras como uma criança que acaba de encontrar o lugar mais mágico do mundo. Os lábios estavam ligeiramente entreabertos, na sombra de um sorriso que começava a se formar, admirada e pela primeira vez, com a mente longe das preocupações do torneio.

Com uma sacola em mãos, Anastasia foi caminhando pelo corredor de doces, analisando um a um, com medo de perder uma das exclusividades da loja. Uma varinha de alcaçuz foi mordida e a francesa fechou os olhos por alguns segundos, se deliciando com o sabor doce que desmanchou em sua boca. Logo, uma pequena remessa das varinhas foi enfiada em sua sacola, antes dela passar para o doce seguinte.

- Bombons explosivos. – Ela leu em voz alta ao analisar a embalagem.

Sem cerimonias, a menina abriu o bombom e enfiou o papel na sacola, para pagar quando passasse pelo caixa. Na primeira mordida, já foi possível sentir os estalos em sua língua e no céu da boca. Com os olhos arregalados, Ana parou de mastigar enquanto tentava assimilar a sensação nova, já certa de que não levaria outro daqueles de volta ao castelo.

A cabeça loira se abaixou enquanto Legrand analisava os itens que havia escolhido e, sem olhar pelo caminho, ela se virou na direção do caixa, encerrando as compras dos doces. Antes que desse mais um passo, seu corpo se chocou com de outra pessoa, o que não seria uma imensa surpresa, devido a quantidade de gente que se espremia pela loja.

Para não perder o equilíbrio, a sacola escorregou de seus dedos e caiu no chão, espalhando alguns dos doces. As duas mãos foram apoiadas contra o peito do rapaz enquanto os olhos claros procuravam o rosto dele.

- Me descul... Wood?

Como havia se tornado comum desde o beijo trocado para calar Rita Skeeter, Anastasia sentiu as bochechas corarem, mas se esforçou para se manter imparcial. Com o nariz levemente empinado, ela tentava demonstrar a confiança de sempre, mas sua pose tão confiante de si era incompatível com a pequena manchinha de chocolate que havia ficado no canto dos lábios.

- Por Merlin, Wood. Não adianta tentar me encurralar assim, não vai rolar outro beijo daquele nem que você me ofereça mesmo a taça.
avatar
Anastasia Legrand

Mensagens : 57
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Liam Mellish em Dom Jan 24, 2016 12:25 am

Não foi difícil encontrar Anastasia Legrand. A Dedosdemel era uma parada obrigatória para qualquer um que visitasse Hogsmeade e foi o primeiro lugar onde Wood procurou pela loira. Mesmo com os corredores abarrotados, os olhos de Oliver logo reconheceram a francesa. Sem dúvida, Anastasia se destacava na multidão.

Quando começou a abrir caminho entre os colegas, Wood se perdeu um pouco nos próprios pensamentos. Era impossível não admirar Anastasia. Todas as garotas de Beauxbatons eram assombrosamente lindas, mas Legrand se destacava não só pela beleza, mas também pela determinação e pela personalidade forte. Para Oliver, estava claro que o Cálice de Fogo não a escolhera por acaso. Anastasia realmente era a melhor.

Por estar tão distraído com os próprios pensamentos, Wood não conseguiu evitar o choque. A sacola de Legrand foi parar no chão, mas os reflexos do goleiro do time da Grifinória evitaram que Anastasia tivesse o mesmo destino. Inconscientemente, ele pousou as mãos na cintura da loira e a segurou com firmeza, ajudando Ana a se equilibrar.

Aquele toque e aquela proximidade fizeram o coração de Oliver saltar, mas as palavras de Legrand tiveram o mesmo poder de um balde de água fria sendo jogado sobre a cabeça do rapaz.

O beijo era uma lembrança que ainda causava algum constrangimento em Wood. Mas a situação se tornava ainda mais embaraçosa quando Anastasia insinuava que ele queria repetir a experiência. Talvez fosse verdade, mas Oliver estava pronto para morrer negando que queria mais um beijo da francesa.

- Do que você está falando? – com uma expressão ofendida, Wood recuou um passo – É mesmo muita arrogância. Devo te lembrar que o beijo foi forçado por VOCÊ?

Wood sacudiu a cabeça como se estivesse espantando um mosquito chato, mas logo mudou o rumo do diálogo. Ele fora procurar Anastasia por um motivo e era melhor que mantivesse o foco no objetivo daquela conversa.

- Escute, Legrand. Nós precisamos conversar.

Oliver olhou ao redor e fez uma careta ao notar a loja completamente lotada. Era um assunto sério demais e é claro que logo as pessoas voltariam a atenção para a conversa de dois dos três campeões do Torneio Tribruxo.

- Que tal sairmos da loja? É um assunto particular.

Antes que Anastasia repetisse as insinuações, Oliver girou os olhos e cruzou os braços numa postura defensiva. Quando retomou a palavra, o grifinório estava mais sério do que nunca.

- É um assunto muito importante sobre o torneio, algo do seu interesse. Mas eu não pretendo insistir nesta conversa e nem vou aceitar ouvir mais indiretas idiotas sobre o beijo que VOCÊ forçou. Se quiser saber o que eu tenho a dizer, estarei te esperando lá fora, na praça central de Hogsmeade.
avatar
Liam Mellish

Mensagens : 158
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Dom Jan 24, 2016 12:50 am

Enquanto andava lado a lado de Florence pela loja, orientando a francesa sobre os melhores e os piores doces fornecidos por Ambrosius Flume e sua esposa, Charles também ocupava de fazer sua própria seleção de doces, sem deixar de lado o prometido sapo de chocolate de Percy.

Alguns bolinhos de caldeirão foram separados, assim como dois tabletes de nugá, mas era notável que sua sacola estava infinitamente mais vazia que a de Legrand. As poucas moedas em seu bolso precisavam durar até o final do dia, e ainda tinham o almoço no Três Vassouras.

Devido a multidão que se espremia a procura dos produtos da Dedosdemel, era inevitável que os ombros de Charles e Florence se chocassem diversas vezes. Em uma das vezes, o ruivo ergueu o longo braço e rodeou as costas da francesa para ajuda-la a passar por um grupo mais movimentado de adolescentes, mas ele a soltou no instante em que alcançaram uma área menos agitada.

- Bom, você definitivamente precisa levar as delícias de abacaxi. São ótimas. E não deixe de experimentar o sorvete de limão, também.

As mãos grandes de Charlie alcançaram uma prateleira mais alta para pegar uma caixinha com penas de algodão e oferecer a Florence.

- Vai por mim, esses são os meus preferidos. Fazem cócegas no céu da boca, mas é incrível.

Seu sorriso encorajador se alargou ao ver a menina guardar a caixinha em sua sacola de compras. O ruivo virou a cabeça por cima do ombro no instante em que os fios loiros de Anastasia desapareciam pela saída da loja, e com as sobrancelhas franzidas, ele voltou para Florence, precisando olhar para baixo, graças aos muitos centímetros a mais.

- Acho que sua irmã cansou da multidão. O que acha de pagarmos os doces e irmos até a loja de Animais Mágicos?

Talvez Florence não conhecesse Charlie o bastante para perceber a ansiedade em seu olhar, como se ele estivesse escondendo um segredo.

De fato, das tantas opções que tinha para se fazer no vilarejo, ir até a loja de animais era um dos passatempos prediletos do grifinório. Mas naquele dia em especial, ele estava cheio de expectativas em apresentar a loja para a francesa.

Com uma mão apoiada nas costas dela, Charlie a guiou até o balcão e após perderem longos e preciosos minutos na fila, eles finalmente voltaram para a rua principal, sentindo o vento balançar os cabelos no instante em que deixaram a loja abarrotada para trás.

- É por aqui...

Mais uma vez, Charlie tocou Florence para guia-la na direção correta, e quando entraram na loja de animais mágicos, anunciados pelo som da sineta sobre a porta, logo foram recebidos com um caloroso “bom dia!” de um velho senhor barrigudo sentado atrás do balcão.

O lugar não era tão colorido quanto a Dedosdemel e definitivamente não era tão cheiroso. Várias corujas voavam livremente sob o teto alto, e se apoiavam em poleiros que estavam distribuídos em todos os cantos. Apesar de limpo, o odor ainda lembrava o corujal de Hogwarts, mas nunca havia incomodado Weasley.

- Charles! Você já estava demorando, achei que não viesse!

O típico sorriso largo surgiu no rosto do rapaz enquanto ele se aproximava do dono da loja. O Sr. Montgomerry era quase careca, com exceção de alguns fios brancos, mas tinha um avantajado bigode sob o nariz, mesclado em preto e branco. Apesar de extremamente gordo e velho, tinha olhos bondosos e parecia sinceramente satisfeito em ver Charles.

- Precisei passar na Dedosdemel primeiro, Frederick. Trouxe uma amiga hoje.

Os olhinhos miúdos de Frederick passaram de Charles, se esforçando para enxergar a loira, e ele pareceu surpreso ao ver que a companhia de Charles era uma moça.

- Bonita demais para você, Charlie.

Antes que Charlie tivesse a chance de responder ou ficar constrangido, uma das corujas voou do céu até pousar em seu ombro, piando com familiaridade.

- He-hey! Como está, Felicity?

Com o indicador, o ruivo acariciou a cabeça da coruja, que fechou os olhos se deliciando com o carinho. Não havia um único final de semana em Hogsmead que Charles não fosse visitar Frederick e passasse horas mimando Felicity. A coruja das neves era extremamente branca, com olhos cor de violeta e apenas uma pequena manchinha rocha em uma das asas. Era linda, e extremamente cara, de modo que dentro da loja era a única forma que Charlie tinha para admirá-la.

Toda vez que entrava na Animais Mágicos, ele torcia para que ninguém tivesse comprado Felicity, para que ele pudesse vê-la mais uma vez. A coruja parecia compartilhar o mesmo carinho pelo bruxo pelo modo que se acomodava em seu ombro.

Além das corujas, alguns animais estavam presos em gaiolas, mas o cuidado especial de Frederick impedia que o lugar fosse apertado demais para cada um deles. Era notável o carinho e atenção que o dono da loja dava para cada um dos bichos, e era exatamente por aquela singularidade que Charlie tanto gostava de Fred.

- Olha só, Flor. Esta é Felicity. – Charlie virou o ombro de modo que a coruja ficasse de frente para a francesa. – Felicity, esta é Florence. Ela veio da França até aqui, sabia? É longe, não é?
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Anastasia Legrand em Dom Jan 24, 2016 1:17 am

Anastasia estreitou os olhos enquanto Oliver se afastava, fitando as costas dele com os lábios apertados. Por mais que fosse verdade, que ela tivesse iniciado o beijo, não era muito confortável para uma menina admitir que havia tomado a frente, mesmo que seu objetivo não fosse exatamente conquistar o britânico.

- Você fala como se não tivesse aproveitado!

Não foi possível ter certeza se Wood havia escutado suas palavras, pois ele já estava deixando a loja, o que forçou Legrand a se apressar para seguir os passos dele. Apenas o assunto “torneio” era capaz de fazê-la sair às pressas, sem ao menos avisar a Florence onde estava indo. O medo de perder Oliver de vista era muito maior do que deixar a irmã sem notícias por um breve intervalo.

Ainda pôde sentir um “craque” sob seus pés quando pisou em um dos doces caídos, também completamente esquecidos. Quando alcançou a rua, Anastasia olhou de um lado ao outro, até avistar o grifinório se afastando. Ela precisou correr para alcança-lo antes que eles chegassem a praça principal.

Diferente da loja de doces, o lugar estava menos movimentado, e os dois só pararam de andar quando alcançaram a sombra de uma árvore, afastados de todos e protegidos dos olhares curiosos.

A conversa da Dedosdemel também foi logo esquecida quando a curiosidade se espalhou pelo corpo de Anastasia, deixando sua mente em alerta. Qualquer notícia sobre o torneio era bem-vinda, e devido a discrição imposta por Oliver, o assunto não deveria ser banal.

A loira cruzou os braços contra o suéter branco e o estudou brevemente, sempre com seu olhar astuto mesclado com curiosidade. Por um instante, ela mordeu o lábio inferior enquanto se perguntava se realmente deveria confiar em um oponente, mas sabia que deveria ao menos escutar o que quer que Wood tivesse para falar.

- Então? O que é tão importante?

Uma sobrancelha loira foi erguida, na característica tão comum de Anastasia quando ela estava diante de um dilema, analisando suas opções.

- Não venha me dizer que desistiu. As regras são claras, Wood. Você não pode cair fora. Com sorte, você pode se machucar na primeira prova e ficar em coma o restante do torneio.

Ela inclinou a cabeça para o lado, fazendo com que alguns fios loiros escorressem pelo seu ombro. As pontas eram formadas por cachinhos perfeitos, como se tivessem sido modelados com os dedos.

- Confesso que estaria imensamente decepcionada se você desistisse. Você me parecia um oponente muito mais a altura do que o Bellamy.
avatar
Anastasia Legrand

Mensagens : 57
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Dom Jan 24, 2016 1:22 am

Depois da visita à Dedosdemel, Florence não pensou que se surpreenderia tanto com outra loja de Hogsmeade. Mas seus olhos novamente brilharam vivamente quando a francesa se viu no interior da loja de animais. Definitivamente a decoração e o cheiro não eram tão agradáveis quanto na doceria, mas era um paraíso para os amantes de animais.

As sacolas da Dedosdemel foram deixadas de lado enquanto Legrand deslizava pela loja, admirando cada uma das espécies presentes ali. Ela não parecia ter o perfil de uma moça afeiçoada por animais, mas era inegável a sinceridade dos sorrisos que ela lançava na direção das corujas, sapos, gatos e camundongos.

Mas nada se comparava ao sorriso amplo que Florence abriu ao se ver diante de uma gaiola lotada de mini-puffs coloridos.

- Own, eles são lindos!

A atenção de Florence só se desviou da gaiola quando Montgomerry fez aquele comentário pouco elegante sobre ela ser bonita demais para Charlie. Legrand preferiu fingir que não havia escutado ou entendido a insinuação, mas as suas bochechas coradas a denunciavam.

Por sorte, a chegada da coruja distraiu a todos e permitiu uma mudança drástica no rumo da conversa. A beleza da ave era inegável, assim como a sintonia que existia entre ela e Charlie.

- Olá, Felicity. – a francesa levou a mão lentamente até as penas da coruja, acariciando-a – Você é linda.

A coruja aceitou docilmente aquela carícia, mas seu olhar buscava insistentemente por Charlie. Era óbvio que o animal o amava e, por um momento, Florence se perguntou por que Weasley não levava para si aquela ave.

Só então, os olhos da francesa se atentaram para a simplicidade das roupas do ruivo, e também para a sua pequena sacola de compras. Florence não estava acostumada a ter desejos que seus pais não pudessem bancar, por isso era difícil compreender as dificuldades financeiras enfrentadas pelos Weasley.

- Eu vou levá-la. – Florence se voltou para Frederick enquanto apontava a ave – Quero levar a Felicity.

Foi notável o desconforto de Montgomerry com a decisão da loira. O dono da loja conhecia o amor de Charlie pela ave, então fazia o possível para sempre manter Felicity na loja. Fred chegava ao ponto de escondê-la quando surgia algum cliente interessado numa coruja.

- Tem certeza? – Frederick fez uma última tentativa – A Felicity não é muito comportada. E também não é mais tão novinha, pode ser difícil educá-la.

- Não tem problema. Eu gostei dela. Quanto devo pagar por ela, senhor Montgomerry?

Fred lançou um olhar de pesar para Charles antes de fazer as contas. O valor apresentado por ele era absurdamente alto para os padrões de Weasley, mas Florence pagou a quantia como se não fosse nada demais.

A loira sorriu quando Fred lhe passou Felicity, confortavelmente empoleirada numa gaiola ampla e igualmente cara.

Se por um lado Charlie poderia ficar aliviado em pensar que Felicity teria uma boa dona, que jamais a maltrataria, por outro lado seria triste saber que nunca mais veria a ave quando Legrand retornasse para a França.

Mas levar a coruja de volta para casa não fazia parte dos planos de Florence.

Antes mesmo que os dois saíssem da loja, a gaiola foi estendida na direção de Charlie. Antes que ele pensasse que a francesa queria apenas que ele carregasse as suas compras, Florence explicou.

- É um presente de agradecimento por ter me ajudado nas aulas e por ter se oferecido para me acompanhar neste passeio. A Felicity agora é sua, Charlie.
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Liam Mellish em Dom Jan 24, 2016 1:43 am

Por um momento, Oliver pensou em dar as costas para a francesa e deixá-la sem a valiosa informação sobre os dragões.

Anastasia bem que merecia tal punição por tamanha arrogância. Mas a consciência de Wood não permitiria que ele tomasse essa decisão. Se algo ruim acontecesse à francesa naquela prova com os dragões, ele jamais se perdoaria por não tê-la avisado sobre os perigos que aguardavam por eles.

- Dragões. Teremos que enfrentar dragões na primeira prova do torneio.

Mesmo estando num ponto isolado de Hogsmeade, Wood usou uma entonação contida. Era uma informação muito séria e que, definitivamente, não poderia vazar.

O goleiro do time da Grifinória deixou que Anastasia digerisse aquela ideia por alguns segundos e bufou com impaciência quando o semblante da loira começou a demonstrar alguma incredulidade. Antes que Legrand questionasse a informação ou as razões daquela conversa, Oliver explicou.

- A minha fonte é confiável. Um amigo escutou quando Igor Karkaroff recebeu esta informação e veio me contar.

Um dos ombros do rapaz foi erguido e ele concluiu, como se fosse a única coisa certa a ser feita. E na cabeça de Wood realmente era o único caminho digno a ser seguido.

- Se o Karkaroff sabe, o Bellamy também vai saber e estará preparado. Eu ainda não sei o que fazer, mas tenho uma semana para me programar. Era injusto que só você não soubesse. Como eu disse, este é um jogo limpo e eu não quero ganhar sabendo que alguém foi prejudicado.

Embora Oliver agisse como se aquela fosse a única solução para o problema, qualquer outra pessoa menos nobre poderia discordar dele. Aquela era uma excelente oportunidade de tirar Legrand do seu caminho, mas Wood preferira jogar limpo com a loira e dar a ela a mesma vantagem que ele e Bellamy possuíam.

Ainda numa postura defensiva, Wood cruzou os braços. Ele estava longe de ser tão forte quanto o adversário de Durmstrang, mas as mangas da camisa dobradas exibiam os contornos dos músculos dos braços do grifinório. Tantos anos no quadribol certamente haviam feito bem para Oliver.

- Por razões óbvias, vou te pedir para não sair por aí espalhando a notícia. Conte só a quem deva saber. – Oliver fez uma careta – E boa sorte. Acho que vamos precisar disso, Legrand.
avatar
Liam Mellish

Mensagens : 158
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Dom Jan 24, 2016 1:55 am

Charlie sentiu o estômago afundar e quase se arrependeu de ter levado Florence para visitar a loja de animais. Por mais que estivesse encantado com a francesa, ele não conseguia imaginar o que seria passar em Hogsmead sem visitar Felicity.

Ele mesmo havia nomeado a coruja quando ainda era um filhote em um dos poleiros de Frederick, e tinha planos de compra-la no instante em que deixasse Hogwarts e conquistasse um emprego. Embora jamais tivesse falado claramente para o dono da loja suas intenções, o Sr. Montgomerry sabia reconhecer o carinho entre o bruxo e a coruja e jamais havia tentado impedi-lo daquelas visitas aparentemente sem sentido.

Vindo de uma família grande e humilde, Charles estava acostumado a ter roupas herdadas de Bill, todo seu material escolar era reaproveitado do irmão e ele nunca havia reclamado com os pais por não poder ter um bichinho de estimação próprio. Errol era a coruja da família e atendia a todas as necessidades de se comunicarem enquanto estavam afastados, não fazia sentido exigir uma coruja própria apenas pelo amor ao bichinho.

Os pais não podiam esbanjar dinheiro, mas aquele nunca havia sido um problema ao apanhador da grifinória. Apenas reforçava a ideia de que precisaria de um bom emprego quando deixasse Hogwarts para trás, para que pudesse ajudar Molly e Arthur com os filhos mais novos.

Pela primeira vez, Charlie se sentiu desconfortável com a situação financeira da família e encarou o chão, sentindo o rosto esquentar, ao ver as moedas douradas que Florence esticou na direção de Frederick. Por um instante, o rapaz se sentiu egoísta o bastante para desejar ser ele o dono daquela pequena fortuna que levaria Felicity para casa.

Com um olhar cabisbaixo, o ruivo sorriu derrotado para o dono da loja e assentiu com um movimento da cabeça, como se dissesse que não o culpava por aquela venda.

- Sua encomenda está aqui também, Charlie.

O velho empurrou uma caixinha relativamente pequena, que cabia em uma das mãos com facilidade, cheia de furinhos. O rapaz agradeceu baixinho enquanto pegava a caixinha e acompanhava Florence para fora da loja.

Quando a loira lhe ofereceu a coruja, Charlie franziu a testa em estranheza, e sua primeira reação foi recuar um passo, balançando a cabeça em negação.

- Não posso aceitar, Florence. Você poderia me agradecer com um chocolate ou uma cerveja amanteigada. Mas a Felicity é cara demais, é quase metade do salário do meu pai!

Ao perceber que havia acabado de admitir aquilo, Charles sentiu as bochechas esquentarem, adquirindo um tom semelhante ao de seus cabelos. Com os dentes trincados, ele engoliu em seco e baixou o olhar para a coruja.

Felicity, dentro de sua gaiola, inclinou a cabeça para o lado, encarando o bruxo como se procurasse interpretar o que estava acontecendo. Ela soltou um pio alto, em um pedido silencioso, e logo bateu as asas, não estando acostumada em ficar presa.

Com um suspiro pesado, Charlie encarou a ave por longos segundos antes de finalmente esticar a mão e receber a gaiola. Era demais para o seu orgulho aceitar um presente tão caro, mas parecia crueldade demais com a coruja privá-la da chance de ficar ao seu lado.

- Eu vou aceitar apenas porque Felicity e eu somos amigos há muito tempo. E porque eu também tenho algo para você.

A caixinha entregue por Frederick foi esticada na direção da loira e um pequeno sorriso voltou aos seus lábios, embora Charlie ainda se sentisse ligeiramente desconfortável com a situação.

- Dumbledore jamais aceitaria um briba, mas tenho certeza que ele não se importaria com um pufoso no castelo. Achei que talvez você fosse gostar de uma lembrança viva da Inglaterra.
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Anastasia Legrand em Dom Jan 24, 2016 2:19 am

A imagem de um enorme dragão cuspindo fogo logo invadiu a mente de Anastasia no instante em que Oliver revelou qual seria a primeira tarefa. Com os olhos azuis arregalados, a francesa precisou de alguns segundos para absorver aquela imagem antes de dizer para si mesma que era impossível.

Nenhum diretor em sã consciência permitiria que dragões entrassem nos terrenos de sua escola, colocando em risco a vida de tantos alunos, especialmente dos campeões dos torneios que precisariam enfrentar a criatura. Era muito mais plausível que aquilo fosse uma mentira de Wood para distraí-la da tarefa que estava cada vez mais próxima.

Porém, algo no olhar do grifinório tornava impossível que Legrand tivesse qualquer dúvida sobre a veracidade de suas palavras. Por mais que não conhecesse Oliver, a honestidade brilhava em seus olhos de uma forma rara que Anastasia, vindo de uma família de políticos, não estava acostumada.

Por longos segundos, a loira permaneceu calada, com os lábios entreabertos, apenas encarando o rapaz a sua frente. Ela chegara a acreditar que Oliver fosse um oponente medíocre e que não lhe traria problemas, mas era a primeira vez que o enxergava de verdade.

Seria muito mais fácil que ele tivesse guardado aquela informação para si, tornando mais distante a chance de Anastasia conquistar a taça e consequentemente, mais fácil para os dois rapazes. A atitude nobre fez com que a loira admirasse o britânico de um modo que jamais havia admirado ninguém.

- Eu não sou nenhuma menininha fofoqueira para sair gritando aos quatro cantos um assunto tão sério, Wood.

Com um suspiro pesado, Ana suavizou as expressões do rosto e relaxou os ombros. Ela teria uma semana agitada pesquisando sobre dragões e as formas de enfrenta-lo, mas precisava admitir que aquela informação era imensamente valiosa. Seria muito mais fácil enfrentar a prova agora que ao menos sabia o que a aguardava.

- Você não precisava ter me contado isso. Seria ainda mais incrível se eu ganhasse de vocês dois sem saber desta informação. – Apesar das palavras, Anastasia sorria, demonstrando que o comentário não passava de uma brincadeira. – Obrigada, Oliver. Não é qualquer um que teria a sua atitude nobre.

A francesa descruzou os braços e esticou a mão delicada na direção do rapaz, em um gesto de trégua.

- Espero que saia vivo da prova. Apenas tente não queimar as sobrancelhas, está bem?
avatar
Anastasia Legrand

Mensagens : 57
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Liam Mellish em Qua Jan 27, 2016 11:57 am

A brincadeira arrogante de Anastasia fez com que Oliver girasse os olhos com alguma impaciência, mas logo um sorriso torto surgia em seus lábios, indicando que o rapaz reconhecera a piada da francesa. Também era óbvio que, apesar da postura atrevida, a gratidão da loira era sincera.

Teria sido muito mais fácil guardar aquela informação. Provavelmente Anastasia ficaria tão chocada quando se visse diante de um dragão que desistiria da prova ou teria um desempenho deplorável. Era uma oportunidade única de se livrar de uma oponente forte, mas Wood não conseguiria ficar em paz com a própria consciência sabendo que Legrand fora injustiçada.

E Oliver fazia aquilo sem esperar nada em troca. No fundo, ele sabia que Legrand e Bellamy provavelmente não fariam o mesmo por ele se os papeis estivessem invertidos. Mas a sua nobreza grifinória estava acima daquele “detalhe”.

- Dizem que nenhum tipo de magia reverte os estragos causados por fogo de dragão. Portanto, sugiro que vá com os cabelos bem presos.

Oliver estendeu o braço e apertou a mão oferecida pela loira. O contraste entre eles era gritante. A mão pequena e suave de Anastasia se perdia no meio dos dedos compridos do rapaz. Ela parecia ainda mais delicada diante do porte de um jogador de quadribol.

O toque foi breve, mas a mente de Wood não perdeu a oportunidade de fazê-lo se lembrar do beijo roubado por Anastasia. Racionalmente ele sabia que a francesa só fizera aquilo para provocar Rita Skeeter, mas era tolice dizer a si mesmo que o beijo não o deixara desconcertado.

Legrand era bonita demais para que Oliver se conformasse com a ideia de que não haveria outro beijo. Intimamente o grifinório lamentava porque a surpresa não permitiu que ele retribuísse à carícia com mais intensidade.

- Boa sorte, Legrand. Espero que se saia bem na prova, mas não melhor do que eu.

Oliver repetiu aquele sorrisinho torto e piscou um dos olhos para Anastasia antes de se obrigar a caminhar para longe dela. Ficar perto da francesa era um risco. A última coisa que Wood precisava era perder o controle e tentar repetir um beijo que a francesa já deixara claro que não desejava reproduzir.

A ideia inicial de Oliver era retornar a Dedosdemel e fazer suas costumeiras compras. Mas os nada discretos cabelos alaranjados de Tonks o atraíram para a calçada do outro lado da praça, onde a amiga esperava por ele com um enorme sorvete em mãos.

- E aí? Exerceu sua tolice grifinória e entregou a vitória pra francesa?

- Eu fiz o que tinha que ser feito.

Os olhos de Nymphadora, que naquele dia tinham um incomum tom lilás, giraram com alguma impaciência. Contudo, no fundo, a lufana admirava a atitude do amigo. Ela não esperava nada diferente de Wood.

- Se você está tranquilo com a sua consciência, por que esta cara de enterro? – Tonks obviamente não perderia a oportunidade de provocar o melhor amigo – Está chateado por que ela não te agradeceu com um beijo?

- QUE?

Oliver arregalou os olhos e não conseguiu evitar que o rosto começasse a ficar corado. Por sorte, ele conhecia Tonks o bastante para saber qual era a melhor maneira de virar o jogo contra ela.

- Vai se ferrar, Nymphadora!

- Não.me.chame.de.Nymphadora!
avatar
Liam Mellish

Mensagens : 158
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Qua Jan 27, 2016 12:23 pm

Embora vivesse rodeada apenas por pessoas de sua classe social, Florence não se importava com a simplicidade de Charles Weasley. Ao contrário, a francesa possuía a plena capacidade de reconhecer que as qualidades de uma pessoa geralmente ficavam bem acima do valor de sua fortuna.

As palavras que Charlie deixou escapar fizeram com que Florence engolisse em seco. Por um momento, a culpa se espalhou em seu peito e a loira abaixou os olhos, envergonhada. Era triste pensar que uma família inteira se sustentava com uma quantia que, aos olhos de Legrand, era tão pequena.

Apesar deste sentimento, Florence não se arrependia por ter gastado aquela pequena fortuna para comprar Felicity. Afinal, ela não estava pagando apenas pelo animal, mas também para finalmente unir a coruja ao dono que já a amava há tempos. E este gesto era nobre o bastante para ficar acima de qualquer barreira financeira.

- É um presente, Charlie. Desculpe pela franqueza, mas acho que o tamanho da minha gratidão deve ser medido por mim. Eu acho que você merece mais que um chocolate ou uma cerveja amanteigada. Você merece a Felicity.

A gaiola novamente foi estendida para Weasley e Florence abriu um enorme sorriso quando o orgulho do ruivo finalmente foi vencido e Charlie aceitou o presente. A reação da coruja foi tão inesperada que arrancou uma risadinha de Legrand.

- Ela também merece você, Charlie. Não é justo privá-la desta alegria. Atrevo-me a dizer que a Felicity esperava por este dia há tempos.

A surpresa ficou estampada nos olhos da francesa quando Charlie devolveu a gentileza e também lhe deu um presente. O preço do pufoso jamais poderia ser comparado à fortuna que ela pagara por Felicity, mas o valor sentimental daquele gesto era incalculável. Certamente Charles gastara boa parte de suas economias para poder presentear a francesa com aquele mimo.

- Oh, Merlim! – os olhos azuis de Legrand brilharam vivamente enquanto seus dedos retiravam da caixinha aquele pequeno pompom lilás – Charlie, como você adivinhou que este foi o meu preferido???

Florence ficara encantada com todos os mini-puffs, mas sem dúvida havia perdido mais tempo acariciando os pêlos macios do pufoso lilás.

- Ele é tão fofo!!!

Legrand não pensou duas vezes antes de acomodá-lo no ombro. O pufoso se deitou ali, usando os fios loiros da moça como um agradável cobertor.

- Você acabou de me dar uma excelente ideia de nome para ele, Charlie. – o sorriso de Florence se alargou – O seu diretor também parece gostar de vestes lilás. Então, vou chamar o meu pufoso de Dumbie. Não é a cara dele???
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Sab Jan 30, 2016 7:17 pm

O sorriso de Charlie era tão natural e sincero que conseguia deixa-lo ainda mais atraente, somado aos cabelos exóticos que balançavam com o vento daquela manhã. Os olhos azuis haviam adquirido um discreto brilho de orgulho ao contemplar a felicidade de Florence com o pequeno pufoso.

A jovem Legrand provavelmente tinha tudo que queria. Dinheiro certamente não era um obstáculo para conquistar os seus caprichos, o que tornava a sensação ainda mais prazerosa ao ver que ela havia gostado verdadeiramente do humilde presente.

Sem perceber, Charles havia estufado o peito, mantendo Felicity ainda em sua mão, em uma posição pomposa de quem havia acabado de conquistar um prêmio impossível.

- Acho que o professor Dumbledore certamente ficaria lisonjeado. Até onde eu sei, ele também gosta de animais. – Charlie se inclinou para frente e sussurrou com discrição, como quem compartilha um segredo. – Uma vez, eu juro que vi uma Fênix no escritório dele.

Era nítido como todo seu rosto se iluminava com a ideia de ter uma fênix no castelo, e pelo pouco que conhecia de Legrand, era fácil deduzir que ela também acharia a ideia incrível. De tantos animais mágicos, a fênix era o mais místico e encantaria qualquer admirador de criaturas mágicas

O restante do dia em Hogsmead passou mais rápido do que Charlie desejava. No momento em que chegaram no Três Vassouras para o almoço, o pub já estava lotado e logo Anastasia apareceu para fazer companhia a irmã. A campeã da França lançou um breve olhar para a coruja apoiada sobre a mesa e o pufoso que dormia no ombro de Florence, sem se incomodar com o falatório a sua volta, mas logo mergulhou em um silêncio que Weasley desconfiou não ser natural.

Quando o sol já começava a se pôr, os três retornaram ao castelo, mas Charlie não conseguiu ignorar alguns olhares que os acompanhavam com curiosidade. Ele sabia que os alunos da Durmstrang e da Bauxbatons eram a grande atração em Hogwarts, mas esperava que após uma semana, a mistura entre os três países se tornasse mais natural.

Apenas a proximidade do primeiro desafio conseguiu diminuir a ansiedade dos britânicos em relação aos alunos estrangeiros, transferindo o foco para o que os campeões estariam para enfrentar.

As aulas que antecederam o dia do primeiro desafio foram um completo caos para os professores. Os alunos agitados cochichavam e trocavam bilhetes sob as carteiras. Alguns faziam apostas sobre os riscos que aguardavam os campeões ou sobre quem teria o melhor desempenho.

O sábado finalmente amanheceu com um forte sol, e os estudantes se agrupavam para deixar o castelo em direção as arquibancadas montadas para assistirem os campeões em seus desafios.

Charlie havia pintado as bochechas com as cores da grifinória, o que o deixava com uma aparência ainda mais ruiva e enferrujada. Os cabelos estavam espetados para cima e um bottom preso em sua camisa com os dizeres “Wood campeão”.

Apesar da nítida preferência do campeão naquele Torneio, Charles não se intimidou em ocupar um lugar ao lado de Florence, no meio de um pequeno grupo de francesas. A semana posterior ao passeio de Hogsmead serviu para que ele se sentisse cada vez mais a vontade de procurar a francesa.

Como era de costume, Percy logo ocupou o lugar ao lado do irmão, lançando olhares curiosos para os estrangeiros ao seu redor. Duas fileiras acima, alunos da Durmstrang também formavam um pequeno grupo. Suas vestes marrom e sem exceção, exibiam escrito na testa “Bellamy”.

- Dez galeões de que a princesa vai ser a primeira a ser eliminada.

Charlie virou para trás ao reconhecer a voz de Marcos Flint, capitão do time de Quadribol da Sonserina, esticando a mão para selar a aposta com um dos alunos da Durmstrang. Apesar de ser um aluno de Hogwarts, Flint também exibia o “Bellamy” escrito na testa. A inimizade com a Grifinória conseguia ser maior a ponto de fazê-lo torcer pela escola adversaria.

- O Wood não tem chance. – Flint continuou, falando alto o suficiente para que todos a sua volta escutasse. – É medíocre demais, sem talento algum. Mas ainda acredito que consiga durar mais do que a boneca de porcelana. Com alguma sorte, consegue ir parar na enfermaria com as entranhas a tempo de serem salvas. Ou então morre ali mesmo.

Percy arregalou os olhos e agarrou o braço de Charles, apertando com força, mesmo com seus dedinhos magros.

- Ninguém vai morrer, certo Charlie?

O Weasley mais velho lançou um olhar aborrecido ao sonserino, mas foi completamente ignorado. Ele se ajeitou em seu lugar e passou a mão pelos cabelos bagunçados do caçula, que também carregava um bottom “Wood campeão”.

- Não se preocupe, Percy. No máximo eu quebro alguns dentes do Flint.

Ao perceber que o comentário não havia acalmado o irmão, ele suspirou e suavizou o rosto.

- Relaxa, tá legal? Dumbledore não colocaria a vida de ninguém em risco.

O rostinho de Percy continuou tenso, mas ele assentiu com um movimento da cabeça, enquanto fixou as íris castanhas no grande espaço a frente, onde logo revelariam o desafio. Aproveitando a distração do menino, Charlie virou para encarar Florence e tocou a mão dela suavemente, ao perceber que a francesa também estava preocupada.

- Isso serve para você também. Seja lá o que eles tiverem para enfrentar, tenho certeza que sua irmã não terá dificuldade alguma.
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Anastasia Legrand em Sab Jan 30, 2016 8:10 pm

Um dragão. Não havia uma única noite que Anastasia não tivesse um sonho em que estivesse enfrentando um dragão. Desde a atitude nobre de Oliver Wood em compartilhar o segredo do primeiro desafio, a sua mente trabalhava em tempo integral com as possibilidades que tinha para enfrentar um dragão usando apenas uma varinha.

As aulas de Criaturas Mágicas na França eram apenas teóricas, de modo que se imaginar diante de um dragão parecia irreal demais. Apesar de ter mergulhado em livros para adquirir todo conhecimento teórico possível sobre as diversas espécies e como poderia enfrenta-las, quando o dia do desafio finalmente chegou, Anastasia Legrand ainda não se sentia segura.

Eram raras as ocasiões que a jovem Legrand não se sentisse completamente confiante de si, e apesar de ter na ponta da língua diversos feitiços, ela ainda não sabia como seria sua reação quando finalmente estivesse diante de um dragão.

A cabana preparada para os campeões era magicamente ampliada, o suficiente para subdividir um dos cantos com três camas separadas por uma lona vermelha. Ao centro, haviam dois sofás e uma mesa, e apesar das várias opções para se sentar, os três escolhidos estavam de pé, andando de um lado ao outro.

Assim como Oliver havia sugerido, os cabelos loiros de Anastasia estavam puxados para trás e presos em um alto rabo-de-cavalo. As botas, apesar de caras, não eram delicadas e não tinham a função de estarem na moda. O couro grosso a protegeria e ao mesmo tempo facilitaria para que ela corresse se fosse necessário. A calça azul marinho era justa, mas também permitia movimentos ágeis. Sobre seus ombros, ela usava a jaqueta com o emblema dourado da beauxbatoms e discretas luvas a prova de fogo cobriam a palma das mãos, deixando expostas as pontas dos dedos.

Não era necessário falar nada. A tensão era palpável tanto em Bellamy quanto em Wood. E o clima não melhorou quando Rita Skeeter apareceu, anunciando sua presença com um flash que iluminou a tenda repentinamente.

- Incrível! Se algum de vocês morrer hoje, esta foto ocupará a primeira página, como a última recordação!

Skeeter fez uma pequena pausa enquanto suas palavras ecoavam junto com a voz estridente, mantendo seu sorriso irritante nos lábios.

- Mas é lógico que o Ministério não permitiria nenhuma morte, não é mesmo? – ela piscou um olho, aproveitando que a tensão dos campeões era suficiente para distraí-los.

Com os punhos cerrados, Anastasia foi a primeira a se mexer, se colocando diante da jornalista.

- Nós já não deixamos claro que não iríamos falar com você?

- Esta tenda é para campeões, apenas. – Bellamy se colocou atrás dela, fazendo com que o sorriso de Skeeter se alargasse.

Antes que ela dissesse qualquer coisa, um novo flash iluminou a tenda no instante que ela fotografou Bellamy e Legrand.

- Estava apenas na expectativa de fotografar um novo beijo da Srta. Legrand. Mas vejo que ela também já o encantou, queridinho. – Rita analisou Anastasia de cima a baixo, mordiscando a ponta da pena que tinha em seus dedos. – Claro que políticos não medem esforços para ganhar. O vovô Legrand não deixaria passar uma oportunidade como essa, não é?

Ana estreitou os olhos e deu um passo a frente, mas antes que ela abrisse a boca, a figura de Albus Dumbledore surgiu por trás do ombro da jornalista.

- Srta. Skeeter? Que surpresa, não me recordo de ter permitido sua visita aos campeões. Mas é claro, você também não pode julgar minha memória com a idade que eu tenho.

- É apenas uma visita rápida, eu já estava mesmo de saída.

- Sim, é claro. – As íris azuis do diretor acompanharam o movimento de Rita até que ela deixasse a tenda, apenas erguendo o olhar por cima dos óculos de meia lua quando ela finalmente desapareceu.

- Ah, ótimo, já estão todos aqui... – Bartemius Crouch surgiu ao lado de Dumbledore, carregando uma pequena bolsa de veludo marrom. – Srta. Legrand? Damas primeiro, é claro.

Com a figura de Rita Skeeter já completamente esquecida, Ana trocou olhares rápidos entre Bellamy e Wood, onde os três já sabiam silenciosamente o que os aguardavam. Era possível notar a fumaça que saía da bolsa de veludo e quando a francesa enfiou a mão, como lhe foi orientado, ela pôde sentir a pele esquentando imediatamente.

Algo tocou a parte exposta de seus dedos e ela soltou imediatamente, respirando fundo para criar coragem e tentar novamente. Com o coração acelerado, Anastasia puxou a miniatura de um dragão vermelho e o revelou na palma da mão.

Por um segundo, ela ficou admirada com a beleza da criaturinha. Cada pequeno detalhe, a textura de sua pele, e mesmo a bolinha de fogo que foi cuspida.

- Meteoro-chinês vermelho. Ótimo, ótimo. Sr. Legrand? Sua vez.

Durante a breve seleção, Anastasia continuou admirando o minúsculo dragão em seus dedos.

- Vocês estão diante de uma amostra das criaturas que irão enfrentar lá fora. Cada dragão guarda um ovo que servirá como pista para o próximo desafio. O objetivo é simples: vocês devem pegar o ovo.

Ridiculamente simples. E ao mesmo tempo inacreditável. Quando o Sr. Crounch se afastou desejando um “boa sorte” sem muito entusiasmo, Legrand ergueu os olhos para encarar Wood. Apesar de ter se preparado para aquele desafio, ainda havia uma vozinha em sua mente lhe dizendo para não acreditar no britânico.

Quem, em sã consciência, entregaria para o adversário a chave para enfrentar aquela tarefa? Bellamy foi o primeiro a se afastar, se preparando para enfrentar seu dragão. No instante em que se viu sozinha na cabana com Wood, Legrand o puxou pelo braço.

- Obrigada.

Apesar de já ter agradecido, a confirmação de que Oliver dizia a verdade fez crescer aquela pontinha de orgulho que havia surgido no breve encontro do vilarejo. A francesa se inclinou na ponta dos pés e depositou um beijo estalado na bochecha do grifinório antes de se afastar, mantendo firme a varinha em seus dedos, aguardando os segundos para entrar na batalha.
avatar
Anastasia Legrand

Mensagens : 57
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Sab Jan 30, 2016 8:12 pm

As alunas de Beauxbatons torceram o nariz quando Charlie se aproximou da arquibancada ocupada por elas. Além de ser um adversário no Torneio Tribruxo, Weasley não era o tipo de garoto que atraía a atenção das francesas. Charlie não era popular, nem rico, tampouco tinha um sobrenome influente no mundo da magia.

Ao contrário das colegas, Florence recebeu o grifinório com um largo sorriso, que também foi estendido a Percy. Eles tinham pouco tempo de convivência, mas era nítido o quanto se davam bem. Além de terem muitos gostos em comum, as personalidades dos dois jovens se encaixavam com perfeição e eles adoravam a companhia um do outro. A sintonia era tão grande que ambos ignoravam por completo o abismo social que existia entre eles.

Naquela manhã, Florence deixava claro que a sua torcida era inteira para a irmã. Além do uniforme azul anil de Beauxbatons, a loira usava uma faixa da mesma cor nos cabelos. Assim como as demais francesas, Florence carregava uma bandeirinha com o brasão da escola. No corrimão da arquibancada ocupada por elas, as garotas haviam pendurado uma faixa na qual se alternavam magicamente as palavras, em francês: “Beauxbatons é a melhor” e “Legrand campeã”.

Embora confiasse no potencial da irmã, Florence estava apreensiva. As arquibancadas estavam lotadas e os alunos se viam diante de um campo completamente vazio. Era impossível prever o que os três campeões teriam que enfrentar nos próximos minutos.

A aposta do sonserino contra Anastasia fez Florence estreitar os olhos. A garota se virou, lançando um olhar nada amigável para Marcos Flint. Já não era nada admirável que Flint torcesse contra o representante de sua escola. Mas o comentário machista dele só o tornava mais desprezível aos olhos de Legrand.

- Ow... ela fica ainda mais linda quando está brava.

O sonserino provocou enquanto lançava uma piscadela na direção de Florence, num claro desrespeito a ela e a Charles, que obviamente estava ao lado de Legrand por algum motivo.

- A Ana vai se sair muito bem.

Florence ignorou completamente o sonserino e se dirigia apenas a Weasley. Embora não estivesse tão tranquila e confiante, Legrand se recusava a demonstrar fraqueza diante de um ser cretino como Marcos Flint.

- Ela vai fazer muitos idiotas perderem dinheiro com essas apostas machistas.

Toda a pose altiva de Florence se desfez no instante em que uma gaiola gigante flutuou pelos ares até pousar no centro do campo. As paredes de madeira não permitiam que nenhum dos espectadores visse o animal escondido ali, mas um grunhido selvagem ecoou por todas as arquibancadas, fazendo com que a nuca de Legrand se arrepiasse.

Com os olhos azuis arregalados, Florence agarrou o braço de Charlie e o apertou com força. No fundo, ela já sabia a resposta quando se voltou para o rapaz, totalmente pálida.

- O que foi isso? O que tem naquela caixa, Charlie?
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Liam Mellish em Sab Jan 30, 2016 8:54 pm

Em uma semana, Oliver Wood estudara mais sobre dragões do que imaginou que aprenderia em toda a sua vida. Embora não tivesse nada contra animais ou criaturas mágicas, Oliver estava longe de possuir a mesma paixão de Charlie Weasley. Somente a certeza de que teria que enfrentar um dragão motivou Wood a ler incansavelmente todos os livros da biblioteca sobre aquela criatura.

Com a ajuda de Tonks, Oliver sabia praticamente toda a teoria sobre as espécies de dragões mais comuns. A amiga também o ajudara a selecionar os melhores feitiços a serem usados com cada espécie. Mas é claro que isso não fazia com que Wood se sentisse mais confiante. Eram grandes as chances de sua memória falhar quando a primeira labareda fosse lançada em sua direção.

O primeiro abalo surgiu no instante em que Bellamy enfiou a mão na sacola e retirou dela uma miniatura perfeita de um Verde-Galês. Segundo todos os livros, aquela era a espécie mais “dócil” e que costumava causar menos problemas aos criadores de dragões.

O dragão selecionado por Anastasia não era tão inofensivo. O Meteoro-Chinês não era exatamente selvagem, mas possuía um perigoso gosto por carne, inclusive carne humana. Se o animal selecionado para o torneio não estivesse devidamente alimentado, Legrand certamente teria um grande problema pela frente.

A mão de Wood foi a última a pescar um pequeno dragão na sacola de couro. O pequenino animal foi retirado pela cauda e fez com que Oliver se arrepiasse. O dragão Negro das Ilhas Hébridas era citado em todos os livros como uma criatura bastante indócil e agressiva. Definitivamente, Wood não conseguiria alcançar um ovo dele com facilidade.

Com um sorriso amargo, Wood aceitou aquele destino infeliz. Provavelmente Bellamy terminaria o desafio rapidamente e de forma brilhante. Anastasia poderia até enfrentar algumas dificuldades, mas também tinha potencial para concluir a missão. Já a Oliver, cabia unicamente o desejo de sair vivo daquela arena.

Obedecendo à ordem de seleção do Cálice de Fogo, Bellamy seria o primeiro a enfrentar o desafio, seguido por Anastasia. Oliver ficaria por último, o que só aumentava a ansiedade do grifinório.

A última coisa que Wood esperava quando ficou a sós com a adversária de Beauxbatons era receber um beijo de Anastasia. Não era exatamente o tipo de beijo com o qual Oliver vinha sonhando nos últimos dias, mas ainda assim era muito mais do que o rapaz esperava.

Mesmo depois de saber que teria que enfrentar um Dragão Negro das Ilhas Hébridas, Wood se sentiu recompensado por aquele gesto de gratidão da francesa. Suas bochechas adquiriram um tom mais corado e os olhos seguiram Anastasia enquanto ela caminhava pela tenda, visivelmente inquieta.

Os ruídos que vinham do lado de fora realmente não eram nada animadores. Os gritos da torcida eram parcialmente camuflados pelo som dos grunhidos selvagens do dragão. Se somente os sons de um Verde-Galês faziam Wood estremecer daquela maneira, ele preferia não pensar no que faria diante do Dragão Negro.

- Bellamy teve sorte. – a voz de Wood ecoou pela tenda vazia – Eu daria um dos rins para trocar o meu dragão por um Verde-Galês.

O comentário soou em tom divertido, mas era evidente que havia alguma verdade por trás daquela brincadeira.

- Você também não se deu tão mal, Legrand.

O grifinório já havia feito a sua parte quando contara a Anastasia o que sabia sobre a prova. A partir de agora, todos estavam exatamente nas mesmas condições. Bellamy tivera sorte de selecionar um dragão menos agressivo e Wood fora agraciado com um grande azar. Mas ninguém fora prejudicado de forma desonesta. Fora uma questão de sorte, afinal.

Ainda assim, Wood não conseguiu conter a própria língua. A dolorosa imagem de Anastasia sendo devorada por um dragão fez com que Oliver tentasse ajudá-la mais uma vez.

- O Meteoro-Chinês não causa tantos problemas desde que devidamente alimentado. Será fácil distrai-lo conjurando um generoso pedaço de carne.
avatar
Liam Mellish

Mensagens : 158
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Sab Jan 30, 2016 9:00 pm

O queixo de Charlie despencou quando ele escutou o grunhido selvagem tão familiar. Como um bom admirador de criaturas mágicas, Weasley já havia estudado sobre dragões, e apesar de nunca ter tido a oportunidade de ver um pessoalmente, antes mesmo que a figura do animal fosse revelada, ele já sabia o que aguardava.

- Não pode ser!

Sem perceber, o rapaz havia se colocado de pé, estreitando os olhos para a caixa. Um pequeno binóculo foi puxado de seu bolso e ele tentou enxergar pelas lentes ampliadas qualquer brecha que comprovasse sua teoria tão óbvia.

As paredes da gigante caixa caíram com um estrondo, levantando poeira ao seu redor e revelando o enorme dragão verde-galês. No instante em que se viu livre, o dragão puxou o ar e cuspiu fogo em seguida, arrancando gritinhos histéricos da plateia. Mesmo com os feitiços de proteção que rodeavam as arquibancadas, Charles sentiu o seu rosto esquentar com o calor, como se estivesse cara-a-cara com o perigo.

- Incrível!

Ao contrário das expressões assustadas a sua volta, Charlie exibia um sorriso de orelha a orelha, os olhos arregalados e brilhando, temendo perder qualquer movimento daquela enorme criatura.

As asas lembravam a de um morcego, mas eram inteiramente verdes, como cada centímetro da pele grossa da criatura. O rosto do dragão era assustador, com os olhos estreitos e os dentes afiados ameaçadores. Enquanto ele tentava andar pelas enormes pedras que se acumulavam em um canto, o rabo desengonçado esbarrava, fazendo pedregulhos deslizarem.

Só então foi possível ver a corrente enferrujada que o prendia pelo pescoço, mantendo-o em uma distância controlável para o ministério da magia. As patas eram tão grandes que esmagariam até mesmo Hagrid com a facilidade de matar uma mosca. E mesmo com toda a aparência assustadora, Charlie achou a criatura mais incrível que ele tivera a oportunidade de encontrar.

- É um verde-galês! – Charlie explicou, se voltando para Florence ainda com o sorriso nos lábios. – É ainda mais bonito do que nas fotos!

O ruivo voltou a ocupar seu lugar no instante em que a figura de Bellamy entrava na arena, a varinha em punho e os olhos atentos.

Enquanto a maioria dos olhares estavam presos no campeão da Durmstrang, Charlie olhava encantado para o dragão, tentando decorar cada detalhe.

- Eu tenho uma amiga em uma escola do Brasil, eles são os melhores em criaturas mágicas. – Charlie explicava empolgado, gesticulando sem desgrudar as íris azuis da criatura, mesmo quando quase acertou Bellamy com uma rajada de fogo. - Ela me mandou um livro uma vez onde eu conseguia ouvir o som de cada dragão enquanto lia as páginas.

Com o indicador, Weasley apontou para o próprio ouvido e finalmente encarou Florence. Com a outra mão, ele entrelaçou aos dedos dela, sem perceber, movido pela empolgação.

- Está ouvindo? O urro dele parece uma música. É ainda mais incrível pessoalmente!
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Anastasia Legrand em Sab Jan 30, 2016 9:29 pm

Anastasia havia feito o seu dever de casa e estudado sobre diversos dragões. Apenas lutava com a própria mente para se lembrar de todas as características possíveis de um meteoro-chinês, evitando que as informações se misturassem com as de outra espécie.

Foi com surpresa que ela escutou a dica de Wood. Os lábios naturalmente rosados se entreabriram e ela o encarou por longos segundos em silêncio, onde apenas o som da batalha de Bellamy com o dragão se fazia escutar.

A sugestão da carne era realmente criativa, mas não foi a capacidade de Oliver com aquela ideia que fez com que a loira perdesse o ar. O grifinório já havia feito muito compartilhando o segredo daquela tarefa, ele não tinha nenhuma obrigação de tentar ajuda-la ainda mais.

Na cabeça de Legrand, era incompreensível os motivos que levavam Wood a ajudar uma adversária. Por um segundo, a loira pensou que talvez Oliver também a visse como uma donzela indefesa, e aquele pensamento fez com que ela se sentisse desconfortável.

Ela não precisava da ajuda de ninguém. Sua confiança foi imediatamente recuperada. Sua habilidade com a varinha era inquestionável, uma referência em Beauxbatons e não seria sua imagem delicada que iria impedir as pessoas de enxergarem como realmente era.

- Sou perfeitamente capaz de enfrentar um dragão sem precisar da ajuda de um homem, Wood. Posso muito bem usar minha própria cabeça para vencer este desafio.

Já com o sentimento de gratidão completamente esquecido e movida pelo desejo de se provar que sempre surgia quando alguém duvidava de sua capacidade, Anastasia estreitou os olhos e cruzou os braços contra o peito.

- Eu trocaria o meu Meteoro-Chinês pelo seu Negro das Ilhas Hébridas se pudesse, Wood, e mesmo assim ainda seria a campeã.

Um estrondo ecoou do lado de fora e, segundos depois, o rosto pálido de Crounch apareceu.

- Srta. Legrand? Sua vez. Espero que tenha mais sorte que o pobre Bellamy.

A loira ergueu uma das finas sobrancelhas e lançou um último olhar a Oliver.

- Deseje sua sorte ao Sr. Wood. Ele vai precisar mais do que eu.

Com passos decididos, a loira deixou a tenda para trás e entrou na arena. Ainda havia vestígios da derrota de Bellamy, mas o Verde-Galês havia desaparecido, dando lugar ao enorme dragão vermelho que guardava a pista da próxima tarefa.
avatar
Anastasia Legrand

Mensagens : 57
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Sab Jan 30, 2016 9:33 pm

Embora compartilhasse o mesmo gosto de Charlie pelos animais e criaturas mágicas, Florence não conseguiu sentir nada além de pânico quando o belíssimo dragão surgiu diante de seus olhos. Era uma criatura absurdamente bonita que Legrand teria gostado de conhecer pessoalmente. Mas também era um ser selvagem que Anastasia teria que enfrentar, e isso exterminava por completo a empolgação de Florence.

- Oh, céus!

A francesa estremeceu por inteiro quando o dragão lançou uma língua de fogo na direção de Bellamy. O campeão de Durmstrang conjurou um escudo rapidamente, mas a estrutura se desfez pelo fogo e obrigou o rapaz a rolar pelas pedras para evitar as labaredas.

Teoricamente o Verde-Galês era a espécie mais fácil daquele desafio, mas Bellamy não demonstrou a tranquilidade necessária para lidar com a criatura. A postura ofensiva dele aguçou os instintos do dragão e tornou o Verde-Galês mais agressivo do que costumava ser. Bellamy certamente teria alcançado o ovo com muito mais facilidade se não tivesse lançado tantos feitiços na direção do dragão, que respondia com grunhidos e com labaredas.

Enquanto o norueguês lutava para concluir seu objetivo, Florence acompanhava a prova com os olhos arregalados e uma das mãos unida a de Charlie. Inconscientemente, a loira apertava a mão de Weasley com mais firmeza e se encolhia para mais perto dele sempre que Bellamy passava perto de ser atingido pelo fogo. Se o sufoco do campeão de Durmstrang a deixava tão aflita, Florence não queria nem pensar em como reagiria vendo a irmã como protagonista daquela arena.

- Isso é horrível! – Florence choramingou com o sotaque francês ainda mais carregado – Como os diretores permitiram isso? É muito perigoso, Charlie!

A loira se encolheu e escondeu a cabeça junto ao peito do grifinório quando Bellamy tropeçou numa das pedras, torceu o pé e foi atingido pelo fogo. Por sorte, o rapaz usava roupas a prova de calor, mas não conseguiu evitar queimaduras nas pontas dos dedos não cobertas pelas luvas e nas pontas dos cabelos.

- A Ana tem que desistir! Nenhum troféu vale tamanho perigo!

- Ele vai pegar!!! – a vozinha aguda de Percy atraiu a atenção de Florence de volta à arena.

De fato, Bellamy havia feito a primeira coisa certa desde que pisara no campo. O rapaz ergueu a varinha para o céu e provocou uma pequena explosão. O Verde-Galês se distraiu com o ruído e ergueu os olhos, e foi exatamente neste momento que Bellamy se arrastou na direção do ovo protegido pelo dragão.

Os noruegueses vibraram quando o rapaz agarrou o enorme ovo e o ergueu, colocando um fim em sua prova. Os alunos da Sonserina logo se juntaram aos estrangeiros, embora estivessem um tanto decepcionados com o desempenho de Bellamy. Tinha tudo para ser uma prova perfeita, mas Bellamy certamente não ganharia a pontuação máxima depois de tantas trapalhadas.

Enquanto os juízes discutiam a nota do campeão de Durmstrang, dois homens entraram na arena e fizeram exatamente o que Bellamy deveria ter feito desde o começo. O Verde-Galês se mostrou dócil quando os criadores de dragões lhe ofereceram um pedaço de carne e se aproximaram de forma sutil. Sem maiores dificuldades, a criatura foi posta novamente dentro da caixa e retirada do campo.

Enquanto uma segunda caixa flutuava pela arena, trazendo o próximo dragão, Crouch ergueu a placa com a nota de Bellamy. A torcida de Durmstrang iniciou as vaias e os xingamentos quando viram que seu campeão ganhara apenas um “sete” pelo desempenho. Igor Karkaroff foi reclamar pessoalmente junto à banca de juízes, mas a nota não foi alterada. Bellamy concluíra o desafio e estava com o ovo nas mãos, mas demonstrara pouco conhecimento sobre a espécie e errara na execução de alguns feitiços.

- Próxima a se apresentar... – Barty Crouch ignorou os protestos e deu seguimento ao torneio – Anastasia Legrand, de Beauxbatons!

Um arrepio profundo fez Florence estremecer. Ela, que já estava encolhida junto ao peito de Charles, agarrou a camisa do rapaz com força e ergueu os olhos azuis para o ruivo.

- Eu não sei se consigo assistir. Se acontecer algo com a Ana... eu nem sei o que vou fazer, Charlie!

As paredes da gaiola se abriram com um estrondo, desabando sobre o chão de pedra. Quando Anastasia entrasse na arena, já encontraria o Meteoro-Chinês vermelho diante do ovo. O segundo dragão era tão belo quando o Verde-Galês, mas ninguém teve dúvidas do quanto era mais perigoso quando seu grunhido estremeceu as arquibancadas mais próximas e o calor do seu fogo atingiu até os assentos mais afastados.
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Liam Mellish em Sab Jan 30, 2016 9:55 pm

O queixo de Oliver caiu quando a francesa teve aquela reação tão pouco amigável. Era apenas uma dica que mostrava que o rapaz estava preocupado com o bem estar dela, mas Anastasia reagira como se Wood a tivesse ofendido gravemente com aquela sugestão tão simples.

Os olhos azuis se estreitaram enquanto Oliver cruzava os braços fortes, numa postura defensiva. Definitivamente, ele não sabia lidar com Legrand. Wood nunca tivera problemas em suas tentativas de se aproximar de uma garota ou de agradar uma de suas conquistas. Mas, com Anastasia, tudo parecia dar errado. Uma demonstração de preocupação era interpretada como uma ofensa!

- Só tome cuidado para não tropeçar na própria soberba. Eu não duvido da sua força, Legrand. É preciso ser realmente muito forte para aguentar o peso de tanta arrogância.

A discussão dos dois jovens foi interrompida pela chegada do representante do Ministério da Magia. Embora ainda estivesse furioso com Anastasia, Oliver se esqueceu completamente da raiva que sentia pela francesa quando Barty Crouch insinuou que Bellamy não tinha se saído tão bem na prova.

Não era uma atitude muito nobre, mas Oliver se permitiu ficar feliz com aquela informação. Depois do sorteio dos dragões, Wood já contava como certa a pontuação máxima para Bellamy. Se o norueguês tinha mesmo falhado, era um sinal de que ainda havia esperanças. Tudo o que Oliver precisava era fazer uma pontuação mínima, pegar o ovo e torcer para recuperar os pontos perdidos no segundo desafio.

- Pois eu não dispenso o seu desejo de boa sorte, Sr. Crouch. Ao contrário da Srta. Legrand, eu não acho que estou acima da sorte e prefiro tê-la ao meu lado.

Mesmo depois que Anastasia se retirou da tenda, Oliver manteve o semblante carregado por mais alguns segundos. Logo, contudo, sua expressão passou a refletir apenas receio e ansiedade. Cada ruído vindo de fora da tenda fazia Wood estremecer. Ele temia por si, mas também por Anastasia. A francesa era uma criatura extremamente orgulhosa e tão indócil quanto os dragões daquele dia, mas nem assim Oliver gostava da ideia de vê-la machucada.

O grifinório ainda queria ganhar, e queria muito. Mas, ao mesmo tempo, Oliver se via cada vez mais envolvido por uma adversária arrogante e petulante, que provavelmente jamais teria por ele a consideração que Wood sentia por ela.

Wood bufou e girou os olhos para si mesmo ao chegar à conclusão de que, pelo menos em uma coisa, Rita Skeeter estava certa. Ele estava começando a se apaixonar pela postura orgulhosa e pela língua afiada de Anastasia Legrand.
avatar
Liam Mellish

Mensagens : 158
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Sab Jan 30, 2016 10:32 pm

Definitivamente, aquele dia estava sendo como um parque de diversões para Charles Weasley. Apenas a ansiedade de Florence o impedia de demonstrar o interesse ainda maior quando o meteoro-chinês foi revelado.

O dragão oriental era ainda mais bonito que o galês, mas a atenção do ruivo ficava dividida cada vez que a francesa se agarrava a ele, desesperada. Era perfeitamente compreensível a preocupação de Legrand com a irmã, e se Anastasia fosse tão tola quanto Bellamy, ela seria ainda mais prejudicada naquela prova.

O verde-galês era facilmente domável, e mesmo assim o norueguês havia cometido erros básicos que haviam arruinado toda sua performance. Se a francesa seguisse pela mesma linha, o meteoro-chinês não seria tão maleável.

- Olhe para mim...

Uma das mãos de Charlie rodeou os ombros de Florence em uma atitude protetora e a outra ele levou até o queixo delicado dela, erguendo o rosto bonito de modo que obrigava a encará-lo.

- Nada vai acontecer com a sua irmã, está bem? Se um dos professores ou alguém do ministério perceber que ela está em apuros, vão intervir imediatamente.

Por um segundo, mergulhado nos olhos azuis de Florence, Charlie esqueceu completamente a presença do dragão na arena, mesmo com o calor que surgia cada vez que ele cuspia fogo ou que a arquibancada tremia com seus urros.

O polegar de Weasley acariciou a bochecha da francesa, se surpreendendo com a textura macia de sua pele. Mesmo com tanta coisa acontecendo ao redor, o perfume dos cabelos loiros alcançava seus sentidos, se sobrepondo a tudo.

Mais uma vez, o grifinório se surpreendeu com a beleza da francesa. Florence era diferente de qualquer menina que ele já havia conhecido. Mesmo entre as demais alunas da Beauxbatons, ela se destacava fisicamente, mas Charlie sabia que ia além.

O interesse em comum pelas criaturas mágicas era apenas um elo que facilitara a proximidade entre os dois. Mas Florence era doce, inteligente, encantadora. Mesmo em seu olhar, ou no timbre de sua voz, nos pequenos gestos e principalmente no sorriso.

Sem perceber, Weasley abriu um pequeno sorriso enquanto se perdia nas qualidades da loira, na esperança de acalmá-la.

- Ela chegou!

A voz de Percy trouxe o Weasley mais velho a realidade e ele virou o rosto para a arena no instante em que Anastasia entrava, carregando o emblema da escola francesa em seu peito e a varinha em punho.

Instintivamente, Charlie puxou Florence ainda mais contra seu peito, protegendo o rosto dela para que ela não precisasse ver o que aconteceria em seguida. Com os dedos, ele afagou os cabelos loiros e sedosos enquanto mantinha a atenção no que acontecia na arena.

No instante em que encarou o grande dragão vermelho, Anastasia congelou em seu lugar, mantendo a varinha firme e os olhos presos no menor dos movimentos da criatura. Os dois se estudaram por breves segundos e, com uma expressão não muito satisfeita, a loira correu arena a dentro.

A primeira reação do dragão foi cuspir fogo, mas segundos atrasados. Anastasia sempre estava centímetros a frente do caminho de chamas enquanto pisava agilmente sobre as pedras, se aproximando da torre onde os homens do ministério da magia e os professores assistiam ao espetáculo.

Charlie prendeu a respiração, xingando mentalmente. Era tolice tentar correr e ele chegou a acreditar que Legrand teria o mesmo desempenho triste de Bellamy quando a francesa alcançou a última pedra diante dos professores.

A varinha foi erguida, apontando na direção contrária à do dragão.

- Accio!

- Accio??? – Percy gritou. – O que ela está fazendo???

Até mesmo para um primeiranista, parecia tolice enfrentar um dragão com um feitiço tão básico. Mas o objetivo de Anastasia logo foi revelado quando um enorme pedaço de carne voou das arquibancadas onde os funcionários do Ministério da Magia guardavam e flutuou até diante do focinho do dragão.

- Tá de brincadeira??? – Alguém gritou algumas fileiras atrás, espantado com a solução simples de Legrand.

Do grupinho das meninas loiras sentadas perto de Florence, Charlie escutou alguma palavra solta em francês, que ele não sabia ser um xingamento ou elogio.

O pedaço de carne flutuou sempre alguns centímetros diante do dragão, que cambaleava tolamente, encantado atrás da comida, já ignorando por completo a presença da francesa. Anastasia esperou que ele estivesse longe o bastante para deixar a carne cair com um baque mudo sobre o chão, e quando o dragão se jogou para frente para comer, ela subiu as pedras restantes até o ovo dourado.

- Ela conseguiu! – Charlie gritou, espantado. – Ela conseguiu, Flor!
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Violet Bryant em Sab Jan 30, 2016 11:01 pm

- O que...?

Florence simplesmente não havia assistido o desempenho da irmã na primeira prova do Torneio Tribruxo. O desespero de pensar que Anastasia sairia daquela arena gravemente ferida ou até morta foi o bastante para que a outra Legrand perdesse por completo a coragem de acompanhar os passos da irmã.

Tudo o que Florence sentia era o calor do corpo de Charlie, a mão do grifinório acariciando os seus cabelos macios e a voz grave que ecoava em sua cabeça repetidas vezes. Tudo o que Legrand queria era acreditar que Weasley estava certo e que os professores iriam interferir na situação antes que Ana se machucasse.

Por estar tão distanciada da realidade, Florence precisou piscar várias vezes antes de compreender as palavras de Charlie. Quando se desvencilhou do abraço do ruivo e encarou o campo, a loira não acreditou quando viu Anastasia com o ovo em mãos.

Toda Beauxbatons aplaudia de pé o desempenho perfeito de Ana. Ela não só havia concluído a prova em tempo recorde, como fizera isso sem sofrer nenhum arranhão. Até mesmo alguns dos alunos de Hogwarts vibravam com a vitória da francesa, não havia como negar que Anastasia brilhara naquele desafio.

- O que houve? Foi tão rápido!!!

- Foi demais! – Percy saltava em seu assento, totalmente empolgado com o desempenho de Ana – Ela deu um pedaço de carne a ele, distraiu o dragão e pegou o ovo!

Por mais que soubesse que Anastasia era inteligente e absurdamente habilidosa, Florence ficou surpresa com a ideia da irmã. Flor imaginou que Ana ficaria em estado de choque diante de um dragão de verdade, era surpreendente que a campeã de Beauxbatons tivesse tido a frieza de pensar naquela solução tão simples!

- Ela sabia.

As palavras soaram sussurradas, apenas para os ouvidos de Charles. Florence sacudiu a cabeça e apertou a mão do ruivo com mais firmeza antes de completar o raciocínio.

- Eu conheço a Ana. Ela é ótima em TODAS as disciplinas de Beauxbatons. Mas nós não temos aulas práticas com criaturas mágicas. Ela jamais seria tão racional diante de um dragão se não soubesse do que se tratava a prova de hoje.

Aquela era uma acusação séria que poderia prejudicar seriamente a equipe francesa na competição, mas Florence não achava que Charles a trairia daquela maneira. Mesmo se Weasley pensasse em questionar a vantagem de Beauxbatons, certamente seria desestimulado pelas próximas frases de Percy.

- O Wood também sabe. Eu acho. Ele não teria outro motivo para querer o seu livro de dragões, não é, Charlie?

O livro citado por Percy era um velho exemplar que Charles ganhara de um tio. Além de ser um livro raro, não encontrado na biblioteca de Hogwarts, as páginas continham anotações feitas pelo antigo dono, que era um excelente domador de dragões.

Ao notar que havia falado demais, Percy ficou tão corado quanto uma cereja, mas já era tarde para voltar atrás. O ruivinho abriu um sorrisinho envergonhado antes de confessar.

- Ele me deu um galeão para pegar o seu livro de dragões no seu malão, Charlie. Ele disse que era só um empréstimo. Era para ser um segredo. Não fale com ele que eu te contei, senão terei que devolver o galeão!
avatar
Violet Bryant

Mensagens : 91
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Remus J. Lupin em Sab Jan 30, 2016 11:29 pm

A solução simples e a rapidez com que Anastasia concluíra a prova era admirada por todos, inclusive Charles. O ruivo chegou a acreditar que a francesa ganharia aquele torneio com uma enorme facilidade, se fosse analisar apenas o desempenho daquela tarde.

Porém, as palavras de Florence atingiram o grifinório com um choque. Os olhos azuis que ainda encaravam a francesa da arena carregando seu enorme ovo dourado sem grandes comemorações giraram até encarar a Legrand ao seu lado.

A boca entreaberta de Charlie denunciava sua surpresa com aquela acusação vindo logo da irmã de Anastasia. Se até Florence acreditava que a campeã da Beauxbatoms havia enfrentado aquela prova já sabendo o que a aguardava, a teoria fazia ainda mais sentido. Não era apenas uma teoria jogada ao vento por alguém que não havia gostado da vitória da francesa.

- Você tem certeza, Florence? Isso é...

A vozinha de Percy fez com que Charlie girasse a cabeça para encarar o irmão, arregalando ainda mais os olhos diante daquela nova revelação.

- O QUE?!?!?!

Com sorte, a alta pontuação de Legrand era revelada, o que pareceu que seu espanto se devia ao “9” atribuído a sua performance. Com exceção de alguns olhares que se voltaram para o par de Weasley e a irmã da campeã francesa, a maioria ainda encarava a arena, onde o dragão veremlho era recolhido.

Charlie olhou ao redor, esperando que a atenção das pessoas se dissipasse e apenas quando teve certeza que ninguém mais ouvia, ele soltou um suspiro frustrado, espremendo os lábios enquanto pensava no que havia acabado de descobrir.

- Isso é sério demais. – Charlie sussurrou, observando o momento em que Anastasia se retirava da arena com o ovo dourado. – Não é seguro conversar sobre isso aqui.

Mais uma vez, ele girou a cabeça, olhando por cima do ombro até encarar o rosto azedo de Marcos Flint, nada satisfeito com a aposta que havia acabado de perder. Ele voltou a encarar o irmão e Florence com uma expressão carregada.

- Nós não temos certeza do que aconteceu.

Nem ele mesmo acreditava no que estava dizendo. Era óbvio demais que Wood e Legrand sabiam que enfrentariam dragões. Charlie apenas não acreditava que o amigo enfrentaria a prova com uma vantagem tão grande enquanto Bellamy havia sido drasticamente prejudicado. Para um grifinório, era uma vitória suja demais para ser comemorada.

- Não vamos discutir isso aqui. Alguém pode interpretar alguma coisa e prejudicar o torneio inteiro. Isso poderia trazer consequências muito ruins para Oliver e sua irmã, Florence.

O ruivo esticou a mão e voltou a tocar o rosto da francesa, segurando-a pelo queixo delicadamente.

- Sua irmã foi excepcional. É só o que temos que pensar agora, está bem?

A tensão que Florence sentia antes da apresentação de Anastasia agora era repetida por Charlie. Com o semblante sério, as sobrancelhas franzidas e os ombros tensos, ele se acomodou na arquibancada quando o novo dragão foi revelado.

- Por Merlin...

A voz saiu em fio de desespero, com um nó se formando em sua garganta.

Sem dúvida alguma, o dragão negro era maior e mais assustador do que os enfrentados por Bellamy e Legrand. Até mesmo Charlie, em sua profunda admiração por criaturas mágicas, sentiu um arrepio na nuca diante do dragão negro das ilhas hébridas.

Inconscientemente, ele puxou a mão delicada de Florence na sua, mantendo-a firme entre seus dedos.

- Ele parece assustador. – Percy sussurrou, também admirado.

- Vamos apenas torcer para que você estivesse certo, Percy. – Charlie engoliu em seco, buscando o rosto de Florence. – Pelo bem do Oliver, espero mesmo que ele saiba o que está para enfrentar.
avatar
Remus J. Lupin

Mensagens : 338
Data de inscrição : 16/01/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Torneio Tribruxo

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum