Alpha Pack

Página 6 de 16 Anterior  1 ... 5, 6, 7 ... 11 ... 16  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Seg Jul 18, 2016 4:04 am

Mesmo que estivesse exausta naquele fim de madrugada e que já estivesse acostumada a transitar entre diferentes cidades pelo país, Francesca não conseguiu ser indiferente a New England. Embora ainda nem visse o centro comercial da cidade, era fácil perceber o simpático clima de interior.

A estrada começou a ser rodeada por bosques e por plantações de eucaliptos que contribuíam para uma queda acentuada na temperatura, mas também deixavam o ar mais puro e refrescante, ainda mais para pulmões acostumados à poluição de Nova York.

Nem por um momento, Sullivan pensou em reclamar da escolha do hotel. Realmente não era a melhor das hospedagens, mas as duas garotas estavam cansadas demais para seguirem em frente. Tudo o que Francesca queria era uma cama confortável onde pudesse cochilar por algumas horas antes de iniciar as buscas por Damien.

- Eu também preciso dormir um pouco. Minha cabeça está começando a ficar pesada, não dá pra continuar assim.

A mochila de Francesca foi deixada sobre uma das camas do quarto e ela fechou as cortinas para evitar que os raios de sol que começavam a iluminar o horizonte atrapalhassem o descanso tão necessário para ela e Archibald.

- Minha garganta está arranhando um pouco, acho que tomei muito vento durante a viagem. Vi uma máquina de café perto do estacionamento, eu só vou descer para buscar um leite ou um chá quente. Não demoro.

Quando deixou o quarto levando apenas algumas moedas no bolso da jaqueta, Sullivan realmente não pretendia demorar. Em poucos minutos a garota estava de volta no estacionamento e alcançou a velha máquina de café expresso. Os olhos verdes estudavam as opções de bebidas quentes quando uma corrente de vento frio atingiu o corpo de Francesca. A garota estremeceu e se encolheu dentro da jaqueta jeans, mas jamais imaginaria que aquela corrente de vento que seguia na direção do bosque levava consigo uma boa dose do seu perfume delicado.

Os dedos de Sullivan enfiaram algumas moedas na máquina e a menina selecionou a opção “tea latte”. Parecia uma grande bobagem, mas chá sempre fazia Francesca pensar nos ingleses. Era uma maneira indireta de se sentir mais próxima a Scott.

O líquido quente já escorria para dentro do copinho descartável quando um novo arrepio fez com que Francesca estremecesse. Desta vez, contudo, o tremor não tinha nenhuma relação com o vento frio de New England. Era um sexto sentido, uma estranha sensação de que algo ruim estava prestes a acontecer.

O coração de Sullivan se acelerou e suas pupilas dilataram enquanto a menina se virava vagarosamente para trás. O estacionamento continuava deserto, iluminado pelos primeiros raios de sol alaranjados daquela manhã. Sua respiração se tornou mais ruidosa e Francesca tentou repetir para si mesma que estava tudo bem e que aquela impressão negativa era fruto apenas do cansaço da noite em claro e das preocupações com Scott.

Antes que a garota pudesse se acalmar, contudo, a visão periférica dela notou um brusco movimento em alguns arbustos altos que separavam o estacionamento do bosque aos fundos do hotel. A máquina apitou, alertando sobre o fim do preparo da bebida, mas todos os sentidos de Sullivan estavam voltados para aquele ponto da vegetação.

Por alguns segundos, nada aconteceu. Francesca sacudiu a cabeça e pegou a bebida, com a certeza de que estava ficando louca. Foi então que o rugido animalesco ecoou pelo estacionamento, fazendo o coração de Sullivan falhar uma batida.

Tudo aconteceu rápido demais. Em um segundo, Francesca viu um corpo saltando agilmente sobre os arbustos. No segundo seguinte, o hálito quente da criatura já se chocava contra o rosto dela. A visão de Sullivan ficou embaçada pelo susto e pela mudança brusca de foco e só conseguiu enxergar um rosto peludo e uma boca cheia de dentes pontiagudos.

O grito agudo da garota ecoou por todo o estacionamento, atingindo também os quartos localizados mais ao fundo do hotel. Foi movida apenas por um instinto de sobrevivência que Francesca se defendeu, jogando a bebida quente sobre os olhos do lobisomem. Aquilo não seria o bastante para pará-lo, mas ao menos deu à Sullivan tempo para fugir. Enquanto o monstro uivava de dor, Francesca iniciou uma fuga em disparada pelo estacionamento, com gritos histéricos de socorro.

O lobisomem não precisou de mais que dois segundos para alcançá-la. Francesca se desequilibrou quando uma das garras da criatura a atingiu no ombro e caiu no chão cimentado, ralando os joelhos e batendo a testa no chão. O golpe abriu um corte acima de sua sobrancelha esquerda e o sangue agitado começou a escorrer compulsivamente pelo ferimento.

Mesmo tonta pela queda e pelo sangramento, Francesca viu com nitidez quando o lobisomem avançou na direção dela. Era bizarro pensar assim, mas a garota teve a impressão de que ele não queria machucá-la quando ergueu uma das garras na direção do rosto dela. O lobo provavelmente só queria tocar a área machucada na testa de Sullivan, mas a sua falta de delicadeza certamente só pioraria o ferimento. As unhas dele eram afiadas o bastante para abrir um corte mortal no pescoço da menina.

As garras pontiagudas estavam há poucos centímetros da pele de Francesca quando uma enorme sombra negra surgiu acima deles, arrancando o lobisomem de cima da menina. Os dois lobos se engalfinharam e rolaram pelo estacionamento, soltando uivos e rosnados selvagens.

Sullivan continuava caída no chão quando virou a cabeça a tempo de ver o enorme lobo negro colocando-se protetoramente entre ela e o recém-transformado. A transformação completa do Alpha não permitia que Francesca reconhecesse naquela criatura nenhum dos traços humanos de Maximilian, mas o mesmo não acontecia com o primeiro lobisomem. Bastou olhá-lo com um pouco mais de atenção para que a garota não tivesse mais nenhuma dúvida.

- Damien. – a voz dela não passava de um sussurro engasgado, que chegou até a audição sensível de Scott – Sou eu, Damien. Sou eu, fofinho...
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Lucinda Clearwater em Seg Jul 18, 2016 4:27 am

Samantha precisou de apenas alguns minutos para se entregar ao sono, acalmando os olhos ardidos e o corpo dolorido pelo cansaço. A cama não era a mais confortável e o cheiro de sabão barato na fronha certamente faria com que ela acordasse com alergia, mas ainda assim, o sono a envolveu sem dificuldades.

A mente dela ainda estava agitada, ainda processando todos os acontecimentos dos últimos dias, e por alguns instantes, Samantha poderia jurar que o rugido que escutava estava vindo dos seus sonhos.

Ela se remexeu na cama, girando para o outro lado. Mesmo adormecida, uma ruga surgiu entre suas sobrancelhas enquanto sua mente lutava entre o mundo dos sonhos e a realidade. Foi apenas quando o grito de Francesca ecoou com força que Archibald despertou por completo.

Com um salto na cama, seu primeiro instinto foi olhar ao redor, encontrando o quarto inteiramente vazio. Sem perder tempo decidindo se o grito havia sido produzido pela sua mente ou se algo realmente terrível estivesse acontecendo, Samantha correu para fora do quarto, sem se importar em deixar a porta aberta para trás ou com os pés descalços em contato direto com o piso gelado.

A adrenalina já tomava conta do seu corpo quando ela alcançou os fundos do hotel e a cena diante dos seus olhos fez com que ela congelasse. Samantha travou, os pés sentindo as pontadas dos cascalhos em sua pele sensível, os cabelos bagunçados e as olheiras roxas ainda em mais evidência com os seus olhos arregalados.

As mãos de Samantha cobriam sua boca escancarada enquanto ela encarava as duas criaturas à sua frente, sem acreditar no que seus olhos viam. Mesmo com a teoria que já vinha brincando em sua mente, nada havia lhe preparado para ver dois grandes lobisomens de verdade.

Era mais fácil reconhecer os traços de Damien por trás da transformação, mas Sam só teve certeza que a outra criatura era Max quando Jack surgiu entre as árvores, correndo ainda ofegante, mas inteiramente humano.

A voz de Francesca, embora não passasse de um chiado, também chamou sua atenção e Archibald imediatamente saiu de seu transe ao ver o estado da amiga no chão. O sangue já começava a escorrer pela lateral do seu rosto e Samantha se apressou em se agachar ao seu lado, tentando puxá-la pelo braço.

- O que você está fazendo? Levanta já daí!

Ao ver Archibald se aproximar de Sullivan, Damien soltou um novo rugido por cima do ombro do grande lobo, como se a verdadeira ameaça de Francesca fosse Samantha e ele estivesse tentando protege-la.

- Tá tudo bem, Damien! – A voz de Jack soou, mas por ainda estar em sua forma humana, ele mantinha uma segura distância do lobisomem. – A Sam só vai levar a Fran lá pra dentro. Respira fundo, tá legal?

Os olhos amarelos da criatura estavam fixos nas duas meninas, e embora seu rosto estivesse inteiramente transformado, Samantha poderia jurar que reconhecia a razão em suas íris. Ele encarava as meninas com racionalidade, pensando em suas próprias ações.

Sua postura hostil foi aos poucos minimizando até que sua expressão ameaçadora se transformasse em dor. Embora não estivesse fisicamente machucado, Damien parecia estar sofrendo mais do que Francesca.

- Fran, vamos entrar... – Sam voltou a suplicar, com medo da instabilidade daquela criatura.

Era fácil notar que Scott era o único sem controle ali, mas mesmo com os dois rapazes para tentar impedi-lo, Samantha ainda se sentia receosa, tentando se adaptar com aquela nova descoberta.
avatar
Lucinda Clearwater

Mensagens : 574
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Maximilian Cavendish em Seg Jul 18, 2016 5:07 am

Como era de se esperar, Maximilian mergulhou em um sono agitado poucos minutos depois que Jack e Damien deixaram o quarto rumo ao bosque para o primeiro treinamento do recém-transformado.

O cansaço acumulado finalmente resolveu cobrar aquela conta, fazendo com que Max mergulhasse em um sono pesado, repleto de sonhos agitados. O rosto de Samantha aparecia tantas vezes nos sonhos do Alpha que ele sequer deu importância aos seus instintos aflorados. Certamente o perfume vívido de Sam que atingia os seus sentidos durante o sono era mais um dos detalhes produzidos pela sua mente agitada, que sentia falta de Archibald.

Já começava a amanhecer e o céu estava adquirindo uma coloração mais clara de azul, mas o hotel afastado do centro comercial de New England continuava mergulhado no mais profundo silêncio.

Por isso, o grito feminino agudo ecoou facilmente por todo o estacionamento, atingindo também os quartos do fundo.

Os olhos de Max se abriram subitamente, exibindo o vermelho vivo natural. Cavendish havia retirado as lentes de contato para descansar as vistas doloridas, sem nunca imaginar que precisaria das íris azuis nas horas seguintes.

Por alguns poucos segundos, o Alpha continuou imóvel na cama, perguntando-se se alguém havia mesmo gritado ou se aquilo também fora obra de seus pesadelos vívidos. Mas então ele não teve mais dúvidas de que aquele era um ataque real. O típico arrepio que antecedia uma transformação se espalhou pelo corpo de Cavendish quando ele escutou o uivo de um lobisomem seguido por gritos histéricos de socorro.

Com um salto ágil, Max se colocou fora da cama. Ele sabia que não tinha tempo para manter as aparências, abrindo a porta do quarto e descendo a escadaria até o estacionamento. Para evitar uma grande tragédia, Cavendish escancarou a janela e saltou através dela, aterrissando com firmeza no terreno cimentado do estacionamento.

Tudo o que Maximilian viu foi a cena principal daquele espetáculo. Francesca Sullivan corria pelo estacionamento enquanto um lobisomem selvagem perseguia os passos dela. O Alpha não tinha tempo para tentar entender de onde aquela garota surgira justamente no hotel onde eles estavam. A iminência de uma grande tragédia também não permitiu que Max pensasse na possibilidade de Francesca não estar ali sozinha.

Os instintos de Max estavam todos voltados para a preservação da sua alcateia quando ele correu na direção de Francesca. Os primeiros passos foram dados pelas pernas humanas do rapaz, mas antes de chegar à metade do caminho Cavendish já havia se transformado em um enorme lobo com pelagem negra, garras enormes, dentes afiados e os olhos vermelhos como sangue, exatamente como Richard Sullivan descrevera em seu diário.

Por estar tão focado em evitar que Damien acabasse com a vida de Francesca e consequentemente com a própria vida, o Alpha inicialmente não percebeu que Samantha Archibald surgia logo atrás dele, descendo as escadarias que levavam até os quartos do segundo andar.

Na verdade, Max só percebeu que Sam era testemunha de toda aquela confusão quando Jack mencionou a menina. A cabeça do maior dos lobisomens se virou vagarosamente para trás e Cavendish sentiu o chão se abrir sobre os seus pés ao ver Samantha ajoelhada ao lado de Francesca. A presença delas ali era completamente inexplicável, mas aquela explicação não tinha valor nenhum perto de tudo o que acabara de acontecer e das respostas que as garotas fatalmente exigiriam.

Era óbvio para Maximilian que Damien, embora ainda transformado, estivesse controlando racionalmente os seus instintos. A expressão de dor do recém-transformado deixava muito clara a culpa que ele sentia por ter, mesmo que indiretamente, machucado Francesca.

Por isso, o Alpha teve segurança para reassumir a forma humana. Não fazia mais sentido se esforçar para esconder aquela incômoda verdade das garotas, então Max não tentou se ocultar enquanto as formas do lobisomem selvagem davam espaço para seus traços humanos, trajando roupas com as costuras rasgadas e com os pés descalços. Ao fim da transformação, o único detalhe que permaneceu idêntico entre Max e o lobo era a cor vermelha das íris.

Cavendish sabia que o instinto que Damien sentia por Francesca era ainda mais poderoso que o sentimento que o unia à alcateia, então foi nesse sentido que o Alpha direcionou a argumentação.

- Você vai voltar para o bosque com o Jack agora. – Max acrescentou antes que o novato se queixasse – Você a machucou, Damien. Você quase a matou. Se eu tivesse demorado um segundo a mais... – o Alpha não completou a frase para evitar que Scott se torturasse ainda mais – Fique no bosque até se acalmar por completo. Eu vou cuidar de tudo por aqui.

Jack colocou uma das mãos amigavelmente no ombro do recém-transformado, incentivando-o a segui-lo de volta para o bosque.

Max sentia o peso do mundo empurrando os seus ombros para baixo quando se virou para as garotas. Por mais que tentasse manter o foco de sua atenção na menina ferida, era impossível ignorar que Samantha Archibald estava ali, que ela havia visto tudo, que agora sabia a verdade e provavelmente se arrependeria amargamente de cada segundo de intimidade vivido ao lado de um monstro como ele.

- Max... – Francesca murmurou, olhando do Alpha para Damien – Está tudo bem. Ele não tinha intenção de me machucar.

- Mesmo? – Cavendish se inclinou, deslizando o indicador nas gotas de sangue que escorriam pelo rosto da garota antes de mostrar o dedo para ela – Você realmente acha que estaria viva se eu não estivesse aqui? Com intenção ou não, você seria devolvida morta para a sua família.

Evitando desesperadamente o olhar de Samantha, Max usou um dos braços para amparar Sullivan. A última coisa que ele precisava naquele momento era ter certeza do desprezo e do repúdio de Archibald.

A garota ferida ainda estava bastante tonta, mas conseguiu se colocar de pé com o apoio de Cavendish e da amiga.

- O que raios vocês estão fazendo aqui? – Maximilian resmungou enquanto amparava Francesca e a ajudava a chegar às escadas.

- Viemos atrás de respostas. – Sullivan fez uma careta, sentindo a cabeça latejar – Esta foi uma explicação bem convincente, mas eu teria preferido uma conversa normal, sabe? Com menos dentes, menos garras e de preferência sem sangue exteriorizado pela minha cabeça.
avatar
Maximilian Cavendish
Admin

Mensagens : 97
Data de inscrição : 13/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Damien Scott em Ter Jul 19, 2016 3:14 am

O mundo de Damien havia desabado. Em toda sua vida, ele nunca se sentiu tão miserável como nas primeiras horas daquela manhã em New England.

A cor alaranjada começava a despontar sobre as altas árvores, em uma paisagem incrível de tirar o fôlego, mas tudo que a mente de Scott era capaz de processar, era no filete de sangue que manchava a pele perfeita de Francesca. Um sangue que só havia sido derramado por sua culpa.

Seus dentes ainda estavam à amostra, assim como seu rosto contorcido e as garras sujas, mas o lobo era covarde demais para enfrentar aquela situação, o deixando inteiramente sozinho para lidar com as consequências.

De todos os rostos que o encaravam, o de Sullivan era o que parecia menos amedrontado, mas aquilo não era o bastante para aliviar a culpa que começava a destruí-lo por dentro. Ele era um monstro sem controle, tão atraído por Francesca, que havia colocado sua vida em risco. Mais uma vez, era Max que se colocava em seu caminho para evitar uma tragédia.

- Tá tudo bem, Damien... Ela vai ficar bem, nada que uma aspirina não resolva.

A mão de Jack apertou seu ombro, tentando reconforta-lo com palavras mais amenas do que a verdade dita pelo Alpha. A raiva que Scott começava a sentir de si mesmo fez com que seu corpo tremesse e ele cerrou os punhos, as garras afundando em sua carne. Em questão de segundos, o sangue quente escorreu, mas aquela dor era completamente insignificante diante do seu desespero.

Parecia ser completamente inútil depois daquele estrago, mas Damien tentou se lembrar dos ensinamentos de Jack, minutos antes. Ele se concentrou nas batidas do próprio coração, controlando o seu ritmo até que a transformação estivesse desfeita. Quando a figura humana de Damien voltou a aparecer no estacionamento, ele estava ofegante, o peito subindo e descendo rapidamente como se tivesse corrido uma maratona.

Seus olhos baixaram para a própria mão suja de sangue, mas o corte já havia desaparecido por completo. Desejando que o mesmo tivesse acontecido com Francesca, ele ergueu o rosto a tempo de vê-la subindo os primeiros degraus, mas o corte em seu supercílio e o joelho ralado continuavam lá, exatamente como deveria ser.

Já com sua aparência normal, Damien encarou a menina por todo o trajeto. Seu rosto estava carregado em dor, em um desespero avassalador de voltar no tempo e corrigir aquele erro. Não havia dúvidas de que estava tudo arruinado.

- Vamos voltar para pegar a sua jaqueta, você tenta relaxar mais um pouco... Deixe a Fran descansar e depois vocês podem conversar.

- Eu não vou voltar para lá como um animal selvagem.

Damien se surpreendeu quando sua voz saiu decidida, embora sussurrada em um tom que Jack só seria capaz de ouvir graças a sua audição sensível. Ele respirava com dificuldade, sentindo a dor aumentar a cada segundo que passava até Sullivan sumir inteiramente de vista.

- Eu vou subir. – Ele deu o primeiro passo para seguir o caminho de Cavendish e das meninas, quando a mão de Jack o tocou novamente, desta vez o segurando pelo braço. – Eu não vou atrás dela. Só vou para o meu quarto.

- Ela não está surtando, Damien. Isso já é um ótimo sinal. Foi bem melhor do que aconteceu comigo...

Os olhos de Damien se fecharam por alguns instantes enquanto ele respirava fundo, ignorando a voz do rapaz e se concentrando nos ruídos do andar de cima. Apenas quando ele se certificou de que Max havia levado as meninas até o quarto, ele seguiu o caminho até onde estava hospedado com os meninos.

Sua cabeça ainda latejava e seu corpo tremia quando Scott se enfiou no chuveiro com a água gelada caindo sobre seus cabelos, sem se preocupar em tirar as roupas. Sua pele fervia, exatamente como na noite em que havia sido mordido, mas pior do que qualquer sintoma da transformação, era o seu desespero com o futuro de Francesca.

Longos minutos se passaram quando a porta se abriu e a voz de Jack soou do quarto, atravessando a porta aberta do banheiro.

- Você precisa descansar um pouco, Damien. Pode ir conversar com ela depois. Quando for tipo, meio dia... e não tiver mais nenhuma chance de influência da lua.

- Eu não vou falar com ela.

Algumas gotas deslizavam pelos seus lábios enquanto Damien estava apoiado contra a parede fria do box, encarando a água que descia pelo ralo.

- Do que você está falando? – Jack parou na entrada do banheiro, se apoiando contra o batente e cruzando os braços contra o peito.

- Eu vou embora. Ou ela precisa ir embora daqui, Jack. Não posso ficar perto dela. O que vocês estão esperando, que eu arranque a cabeça dela com os dentes???

Damien sabia que a culpa era só sua, mas a raiva era grande o bastante para que ele transferisse um pouco daquela responsabilidade para os amigos.

- As coisas não são bem assim, Damien. Eu vi que você não queria machucá-la...

- VOCÊ VIU? – Damien rugiu, virando a cabeça para encarar o rapaz, suas roupas já pesadas pela água. – VOCÊ VIU TAMBÉM COMO EU VOEI PRA CIMA DELA? E O SANGUE, VOCÊ VIU TAMBÉM? Eu sou um monstro, Jack! Não posso ficar perto dela!

- E o que você pretende fazer? – Jack bateu os braços nas laterais do corpo, gesticulando. – Fugir da vida dela e nunca mais se verem? Vocês estudam no mesmo colégio, demente! Além do mais, vocês estão marcados!

- Se essa história de marcação sequer existe, é tudo culpa dessa maldição! Eu não quero isso pra mim!

- Quer saber só a novidade, Damien? – Jack deu mais alguns passos para o interior do banheiro. – Ninguém quer, mas é tarde demais! Então pare de agir como um bebê irresponsável e chorão e aprenda a lidar com a situação como um homem!

Damien sacudiu a cabeça, fazendo algumas gotas se espalharem ao seu redor. Para ele, não existia atitude mais madura do que se afastar de Francesca e poupá-la daquela vida miserável.
avatar
Damien Scott

Mensagens : 300
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Lucinda Clearwater em Ter Jul 19, 2016 3:32 am

Samantha precisava se concentrar apenas em ajudar Francesca para que sua mente não surtasse com as figuras de Damien e Max transformados, já gravada em sua mente. Ela precisava agir apenas como uma boa amiga em uma situação difícil, e não como alguém que acabara de ter a comprovação de que lobisomens eram figuras reais.

Tomando a dianteira, Sam guiou o caminho para Max e Francesca, indicando um dos apartamentos do segundo andar cuja porta estava escancarada. Em seu interior, as malas das meninas estavam jogadas em um canto e uma das camas estava revirada, indicando onde Archibald começara a tentar descansar.

Enquanto Cavendish guiava Sullivan até a cama ainda intocada, para que ela pudesse se sentar, Samantha foi até o banheiro e trouxe uma toalha umedecida. Ela se sentou ao lado de Francesca, deslizando a ponta pelo sangue em seu rosto, limpando a pele clara.

- Você está bem? Ele chegou a machucar você?

A testa de Sam estava franzida enquanto ela estudava a reação da amiga. Além do corte em seu supercílio e da pele ralada em seus braços e joelhos, nenhum ferimento mais grave atraía sua atenção.

Ela tentava a todo custo ignorar a presença de Max, porque não sabia como se sentiria quando finalmente tivesse que encarar o que havia acabado de acontecer.

- Eu tenho um kit de primeiros socorros no carro, posso pegar. Vamos precisar fazer um curativo na sua testa.

A toalha foi passada para as mãos de Francesca e Samantha se colocou e pé. Ela calçou rapidamente as botas esquecidas do lado da cama, mas antes de sair do quarto, ela se viu obrigada a encarar Cavendish. Embora não duvidasse da capacidade do rapaz que já havia controlado Scott por mais de uma vez, ela precisava ter certeza que tudo ficaria bem durante sua ausência de poucos minutos.

- Ele está sob controle agora, não é? Não vai aparecer aqui atrás dela?

Uma parte da mente de Sam dizia que Damien jamais seria capaz de machucar Francesca. Mesmo transformado, a dor em seus olhos era expressiva demais para ser ignorada. Mas aquele mundo ainda era muito novo para que ela aceitasse aquilo como uma verdade.

Sam pegou a chave do carro e parou no limite do quarto e do corredor, com a porta aberta. A claridade da manhã já começava a banhar o carpete encardido quando ela forçou um sorriso na direção de Cavendish, apenas espremendo os lábios e fazendo suas covinhas aparecerem.

- Obrigada por ter aparecido a tempo, Max.
avatar
Lucinda Clearwater

Mensagens : 574
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Qua Jul 20, 2016 3:31 am

Quando planejou a viagem até New England, Francesca desejava esclarecer de uma vez por todas qual era o segredo escondido por Damien e Maximilian. Embora a existência de um mundo sobrenatural não parecesse mais uma ideia tão absurda para a menina, ela estaria mentindo se dissesse que havia previsto o que acabara de acontecer no estacionamento do hotel. A última coisa que Sullivan imaginava era que suas suspeitas seriam confirmadas com um lobisomem perseguindo-a com dentes e garras à mostra.

Ao contrário do que seria natural, Francesca não conseguia culpar Damien pelo ocorrido. Ficou muito óbvio que Scott não estava no controle quando o lobo saltou na direção de Sullivan. E, além disso, não parecera um ataque de verdade. É claro que as garras do lobisomem retalhariam com facilidade a pele delicada de Francesca, mas havia ficado muito evidente que esta não era a intenção da criatura.

A garota ainda estava um pouco tonta e dolorida quando chegou ao quarto que dividia com Samantha. Maximilian, que a amparava cuidadosamente, ajudou Francesca a se sentar na cama vazia. O rosto de Sullivan se contraiu numa careta de dor quando a amiga começou a limpar o ferimento de sua testa, provocando um ardor na pele machucada.

- Eu estou bem... – a entonação frágil e o semblante dolorido desmentiam facilmente as declarações de Francesca – Está tudo bem, foi só um acidente.

Embora estivesse se esforçando muito para reduzir o impacto daquele incidente, Sullivan intimamente sabia que a situação era grave. Se não fosse pela interferência de Maximilian, eram muito grandes as chances daquele discreto sangramento na testa não ter sido o único preço a ser pago pela inconsequente missão de New England. Francesca estremecia só de pensar que Samantha teria a ingrata missão de contar para os Sullivan em que circunstâncias a caçula morrera. Era ainda mais aterrorizante pensar no que Paolo poderia fazer com Damien quando soubesse que o rapaz era o responsável por aquele “acidente”.

Quando a toalha foi passada para as mãos dela, Sullivan suavizou um pouco a pressão do tecido macio contra a testa, num claro sinal de que a região ainda estava bastante dolorida.

- Eu vou ficar aqui. – a voz grave de Cavendish ecoou com firmeza no quarto – Ele não vai conseguir se aproximar dela, não se preocupe.

Apesar de saber que a preocupação de Samantha e Max tinha fundamento, Francesca não conseguiu evitar que seus lábios se curvassem num biquinho insatisfeito. A garota queria que Damien parasse de ser tratado como uma fera que queria matá-la. Tudo o que Sullivan mais queria era buscar pelos olhos de Scott – preferencialmente com as íris humanas esverdeadas – para lhe dizer que ficaria tudo bem e que ela não o culpava pelo ocorrido daquela manhã.

- Eu quero vê-lo. Preciso falar com ele.

Francesca esperou que a amiga saísse do quarto para fazer aquele pedido a Max, principalmente porque sabia que Samantha surtaria com aquela proposta e não concordaria com aquela ideia.

- Agora não, Fran. – o Alpha soou compreensivo – Você precisa de um curativo e de um analgésico. E o Damien precisa recuperar o controle.

- Mas eu posso ajudá-lo nisso! Por favor, Max! Eu sei que posso ajudá-lo, sei que posso confiar nele!

Mesmo que não conhecesse nada sobre os instintos de um lobisomem, a marcação era um elo forte o bastante para que Francesca fosse contagiada por aqueles impulsos involuntários. Era como se ela sentisse que Scott nunca faria mal à pessoa localizada no centro de seu universo.

- Ele jamais te machucaria propositalmente, Francesca. Mas os instintos dele são selvagens. Ele não enxerga a sua delicadeza, ele não consegue controlar as garras, a força dos músculos, o impulso de usar os dentes...

- Você controla muito bem. – Francesca choramingou, já sem argumentos.

- Muitos anos de prática. O Damien vai chegar lá, mas ele precisa de tempo e de treinamento. Foi isso que viemos fazer aqui. Definitivamente, vocês tiveram uma péssima ideia ao aparecerem aqui. Se você tivesse se machucado mais seriamente, o Damien jamais conseguiria se reerguer desta culpa. O que vocês esperavam encontrar aqui, afinal!?

Era evidente que Max estava muito surpreso com a maneira como Francesca parecia aceitar a condição de Damien. Embora estivesse assustada, em nenhum momento a garota dera sinais de que enlouqueceria e se afastaria de Scott por medo ou por nojo daquela maldição.

- É uma longa história, podemos conversar sobre isso mais tarde...? – Francesca completou antes que Max negasse – Você não tem o direito de me negar este tempo, não depois de tantos segredos e mentiras. Eu realmente queria muito dizer ao Damien que não estou chateada. Tenho certeza de que isso o ajudaria neste momento.

- Sem chance de eu deixar que ele se aproxime de você minutos depois de quase ter enfiado as garras na sua cabeça...

Maximilian fez uma pausa para pegar o celular no bolso da calça jeans surrada, já descosturada em vários pontos após a transformação daquela manhã.

- Sorte que vivemos no século vinte e um. Mande uma mensagem pra ele.

Usando o aplicativo de mensagens de Cavendish, Francesca abriu a aba com o número de Damien e pressionou o botão para gravar uma mensagem de voz. No recado, a menina tentou soar com firmeza e bom humor, numa tentativa de ajudar Scott a superar a culpa que deveria estar dominando a cabeça dele naquele instante.

- Damien... Estou mandando esta mensagem só porque o Max resolveu bancar a babá e não vai deixar que eu saia do quarto para te ver. Aliás, você tem um gosto peculiar para amigos grudentos, hm? – um suspiro suave escapou durante a pausa feita por Sullivan – Eu estou bem, fofinho. Foi um acidente, eu sei que você não queria me machucar. Nós temos que conversar sobre tudo isso pessoalmente, mas eu precisava te dizer que está tudo bem e que não pretendo fugir. A minha maior mágoa é não ter conseguido tomar o chá, então apareça com um copo enorme se quiser garantir o meu bom humor quando formos conversar mais tarde, ok?
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Maximilian Cavendish em Sex Jul 22, 2016 12:08 am

A cabeça de Maximilian Cavendish estava muito próxima de um colapso naquela manhã. Geralmente o Alpha tinha tudo sob controle, mas os últimos acontecimentos tinham abalado de forma irremediável todas as bases sobre as quais Max alicerçava a sua vida e a sua alcateia.

O Alpha sentia um imenso orgulho de pensar que liderava uma alcateia sem nenhuma mancha de sangue. Todos os lobos que pertenciam a sua “família” compartilhavam do desejo de viverem bem em uma sociedade humana e, portanto, mantinham os instintos selvagens sob controle e nunca tinham se envolvido em nenhum problema em que um inocente saísse machucado.

A cena daquela manhã, então, fora o mais próximo que Maximilian já chegara de uma tragédia. Max estremecia só de imaginar o que poderia ter acontecido com Francesca se ele tivesse perdido dois segundos a mais na cama.

Além dessa perturbação, Maximilian precisava lidar com a aflição de não saber como seu mais novo Beta reagiria diante daquele problema. Damien já vinha demonstrando uma grande resistência em aceitar a maldição e o descontrole daquela manhã poderia contribuir para a insegurança do rapaz. Scott deixara claro para todos que não estava pronto para lidar com os instintos de um lobo, mas a opção de se afastar da garota com quem estava marcado definitivamente não era uma alternativa melhor para o garoto.

Como se não bastasse tudo isso, o Alpha agora começava a ficar inquieto com a ideia de que o segredo de toda a alcateia fora exposto aos olhos de Francesca e Samantha. A ida das meninas para New England estava rodeada por várias interrogações, mas uma das maiores dúvidas de Maximilian era o quanto de confiança poderia depositar nelas. Aquele, afinal, não era um segredo somente de Damien, Max e Jack.

Toda a alcateia seria abalada se as garotas espalhassem pelo mundo a verdade descoberta naquela manhã. Caçadores seguiriam os rastros deles até exterminar toda a alcateia e Maximilian não conseguiria proteger todos aqueles que depositavam sua confiança nele.

Outro ponto inexplicável para Cavendish era a facilidade com que Francesca parecia aceitar toda aquela loucura. Qualquer garota deveria estar em pânico, desesperada ou furiosa pela gravidade das mentiras de Damien. Sullivan, contudo, parecia aceitar aquilo com tanta naturalidade que a maior preocupação da menina era dizer a Scott que estava tudo bem.

Era como se Francesca já soubesse o que encontraria naquela viagem. E Max simplesmente não conseguia entender como a garota havia levantado uma hipótese tão bizarra como aquela.

Mas acima de qualquer angústia de Maximilian estava Samantha Archibald. Nenhum espírito de liderança ou de cumplicidade com os amigos superava o sentimento egoísta do Alpha naquele instante. Seu maior sofrimento naquele momento era a certeza de que qualquer chance que ele pudesse ter com Samantha foi exterminada no instante em que a menina viu o lobo que Max escondia dentro de si.

A grande verdade é que Max não sabia dizer se haveria algum futuro para ele e Archibald. Os dois tinham combinado um novo encontro, mas a mensagem de Samantha não demonstrava a mesma empolgação de sempre. Cavendish não conseguia descartar a grande chance de Sam ter decidido voltar para o namoradinho milionário, mas a esperança só acabaria depois de um “não” definitivo durante o café. Se por um milagre os dois chegassem a um acordo e engrenassem num relacionamento mais sério, é claro que Cavendish pensaria na melhor maneira de abrir o jogo com a garota.

Mas a forma como Samantha descobrira a verdade havia estragado qualquer chance da menina aceitar aquela realidade. Sua melhor amiga quase fora mortalmente atacada por um monstro de um “bando” liderado por Maximilian. Ninguém a julgaria se Sam estivesse aterrorizada e enojada por tudo o que vivera com Max sem saber que havia um lobisomem por trás dos traços humanos.

Quando Samantha retornou ao quarto, o clima parecia menos pesado. Francesca estava mais tranquila depois de enviar a mensagem para Damien e já havia conseguido controlar o sangramento do corte aberto em seu supercílio. Sullivan estava bem o bastante para pegar a caixinha de primeiros socorros das mãos da amiga e cuidar sozinha do curativo.

Enquanto Francesca usava o espelho do outro lado do quarto para tapar o corte com um band-aid, Max percebeu que não poderia continuar fugindo da inevitável conversa com Sam. Era impossível fingir que nada demais havia acontecido depois que Archibald se tornou espectadora da cena do estacionamento.

Os olhos vermelhos se viraram vagarosamente para Samantha. Maximilian tentava ignorar a sensação de um punho esmagando o seu peito quando pigarreou antes de reunir coragem o bastante para se dirigir à menina.

- Eu realmente não sei se existiria uma boa maneira de contar essa verdade a alguém, mas definitivamente esta cena superou as minhas piores expectativas, Sam. A última coisa que eu queria era que você descobrisse assim.
avatar
Maximilian Cavendish
Admin

Mensagens : 97
Data de inscrição : 13/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Damien Scott em Sab Jul 23, 2016 1:43 am

A voz de Francesca ecoou pelo quarto do hotel pelo que pareceu ser a milésima vez. O celular de Damien começava a sinalizar a bateria baixa, mas ele mantinha o aparelho firme em seus dedos e o olhar perdido, cada vez que tocava na reprodução do áudio.

Ele havia trocado as roupas encharcadas por um moletom e os cabelos ainda estavam úmidos. Com os pés descalços, Scott estava sentado no meio de uma das camas, com as costas apoiadas na cabeceira e os joelhos dobrados. Seus braços estavam apoiados sobre os joelhos e o celular posicionado diante do seu rosto.

Do outro lado do quarto, Jack estava jogado no sofá, folheando uma revista abandonada em uma das gavetas. Por trás das páginas, ele fazia uma careta e movia os lábios para reproduzir silenciosamente as mesmas palavras ditas por Francesca, já perfeitamente memorizadas graças as consecutivas repetições.

Quando Damien apertou mais uma vez e a voz da menina voltou a mesma frase do começo, Jack fechou a revista bruscamente, jogando-a para o canto do sofá.

- Eu não sei se entrou pelo de lobisomem nos seus ouvidos, se você acabou batendo a cabeça ou se a lua-cheia de alguma forma te deixa demente... Mas o que a Francesca está tentando dizer é que ela não te culpa pelo que aconteceu, tá de boa com a nossa bizarrice toda e tá querendo tomar chá.

O olhar de Damien permaneceu preso na cortina encardida que tampava a janela, se perdendo nos padrões florais, e ele sequer piscou quando seu peito subiu, puxando o ar para responder.

- Como ela pode aceitar tudo isso, Jack? – Sua cabeça girou lentamente para encarar o amigo, franzindo a testa. – Que tipo de pessoa seria capaz de aceitar isso?

- Bom, fofinho... isso você só vai saber se levantar a bunda daí e for lá falar com ela. Mas de qualquer forma, eu estaria soltando fogos no seu lugar.

- Você acha que poderia ser por causa da marcação? Ela não consegue enxergar as coisas com clareza porque está ligada a mim, de alguma forma?

Jack se colocou de pé e deslizou as mãos pelos cabelos crespos, coçando a nuca.

- A marcação pode até ajudar, Damien. Mas não acho que seja só isso. A Francesca obviamente te ama e sabe que você jamais faria alguma coisa para machucá-la.

- Mas eu machuquei.

O olhar de Damien se voltou para a cortina e Jack percebeu que ele estava mais uma vez se afundando naquela tortura mental, revivendo a cena terrível daquela manhã. Balançando a cabeça, sabendo que nada do que dissesse faria diferença, o rapaz deixou o quarto, deixando Damien sozinho.

Longos minutos haviam se passado quando a porta do quarto voltou a se abrir. Damien continuava sentado no centro da cama, mas ao menos havia largado o celular, que repousava no travesseiro ao seu lado. Ele franziu a testa ao ver que Jack carregava uma sacola de papel e um suporte de papelão com dois copos.

- Levanta. – Jack ordenou, parando ao lado da cama outra vez.

- Não enche, Jack...

A sacola de papel foi jogada no colo de Damien e, com a mão livre, Jack lhe deu um tapa atrás da nuca.

- A sua garota já teve uma manhã difícil, Scott. Seja homem ao menos de enfrenta-la. E leve o chá que ela pediu.

O recipiente de papelão foi esticado em sua direção e, com a testa ainda franzida, Damien o segurou.

- Tem uns bagels aí dentro também. A bichinha deve estar com fome. Agora vai logo lá...

O sol já estava forte lá fora, minimizando a influência da lua cheia. Mas o medo ainda controlava o corpo de Damien. Ele se sentia como uma bomba relógio, prestes a explodir. Não era mais o medo da rejeição de Francesca, mas sim o medo do que ele poderia ser capaz de fazer com ela.

Apesar de todo o seu pânico, uma parte da mente de Scott implorava para que ele ficasse alguns minutos a sós com Sullivan. Talvez fosse a marcação falando, mas a necessidade de tê-la ao seu lado era constante, mesmo em momentos como aquele.

Por isso, Damien se deixou deslizar para fora do colchão, levando consigo o chá e os bagels comprados por Jack. Ele não precisou saber do número do quarto das meninas para parar diante da porta em que o perfume de Sullivan mais se sobressaltava.

As batidas na porta foram leves, como se intimamente ele ainda tivesse esperança de que ninguém ouvisse. Mas logo o rosto de Samantha apareceu do outro lado. A menina o estudou por alguns instantes e então fixou o olhar no pequeno lanche em suas mãos.

- Não acho uma boa ideia... – Samantha começou, balançando a cabeça em negação.

Era fácil perceber em seu olhar que não era temor que sentia, mas uma pontada de raiva. Archibald sequer fazia questão de esconder que o culpava pelo ocorrido daquela manhã, mas pela primeira vez, Damien concordava com ela.

- Eu só preciso conversar com ela, Samantha. Estou no controle agora.

As sobrancelhas finas da menina se uniram enquanto ela analisava suas opções. Por fim, soltou um suspiro e deslizou pelo lado, abrindo a passagem.

O quarto delas era idêntico ao dos meninos, mas o perfume de Francesca no ar era suficiente para deixar o ambiente infinitamente mais alegre.

Damien, que era sempre tão seguro de si, parecia muito tímido quando pousou o olhar em Francesca, fixando o olhar no pequeno curativo em sua testa. Seu estômago se revirou e ele foi incapaz de sorrir quando ergueu a sacola de bagels.

- Trouxe o seu chá... Imaginei que você estivesse com fome.

Samantha permaneceu parada ao lado da porta, os braços cruzados, sem se sentir embaraçada em observar a cena com bastante interesse. Por fim, ela revirou os olhos e puxou uma bolsa repousada na poltrona.

- Eu vou sair para comprar algo pra todo mundo almoçar... Mas não abuse, Scott.

Damien assentiu, sem ter forças para sequer discutir com Archibald.

- Jack está fim do corredor. Se qualquer coisa sair do normal, ele vai escutar. – Ele tentou tranquilizar a amiga de Francesca, embora as palavras servissem mais para tranquilizar a si mesmo.
avatar
Damien Scott

Mensagens : 300
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Lucinda Clearwater em Sab Jul 23, 2016 2:09 am

Era uma tremenda sorte que o diário do Sr. Sullivan tivesse sido descoberto antes daquela verdade ser revelada aos olhos de Samantha, pois ela tinha certeza absoluta que estaria em estado de choque naquele momento, após ver o rapaz por quem estava apaixonada se transformando em um lobo enquanto um outro rapaz atacava sua amiga com garras e dentes afiados.

No fundo, aquelas histórias malucas que vinham rondando sua mente serviram para prepara-la e quase aceitar aquele novo mundo. Lógico que ela ainda se sentia tonta diante da revelação, mas não sair correndo já era um grande progresso.

Além do mais, era inevitável não sentir uma pontada de curiosidade com aquele novo universo desvendado. Era um grande privilégio ser portadora daquela verdade, completamente desconhecida para a maior parte da população mundial, além de incrível saber que tantas coisas fantasiosas pudessem ser reais.

Tirando toda sua curiosidade, Archibald se via em um conflito por ter Max bem no centro daquela confusão. Ela não sabia o que pensar, muito menos o que esperar de um futuro dos dois. Cavendish poderia ter uma vida inteiramente normal, casar, ter filhos e manter um bom emprego?

Mais uma vez, sua estabilidade com Caleb era esfregada em seu rosto. Stark estava em casa, aguardando ansioso por sua decisão, com o futuro brilhante perfeitamente traçado, enquanto ela cogitava alguma chance ao lado de um ser sobrenatural. Era bizarro, até mesmo para os seus padrões.

Tentando ignorar um arrepio gostoso que subiu em sua nuca quando as palavras de Max soaram perto demais, Samantha fixou o olhar em Francesca, que apesar de todo o drama, era a que mais parecia normal.

- As suas expectativas? – Samantha sussurrou, tentando manter aquela conversa privada, apesar do quarto pequeno. – Imagine as expectativas dela, Max. Ou do Damien. Os dois são praticamente namorados, a Fran atravessou cidades para descobrir a verdade que vocês escondiam e olha só no que deu...

Ela cruzou os braços e se virou para encarar Max. Era impossível não se surpreender com as íris vermelhas lhe encarando e pela primeira vez, Archibald se sentia intimidada. Mesmo com aquela cor tão incomum, o rosto de Cavendish continuava bonito, mas era um lembrete gritante de como eles eram diferentes e de tudo que ele havia escondido até então.

- Mas eu entendo... Não é exatamente um segredo fácil de compartilhar. Na verdade, é perfeitamente compreensível que você não tenha me dito nada, mas acho que a Francesca merecia isso do Damien.

Por mais que seus sentimentos por Max fossem intensos, Samantha precisava admitir que era completamente diferente do envolvimento entre Francesca e Damien. Antes que ela pudesse continuar seus comentários, as batidas na porta chamaram sua atenção, interrompendo a conversa com Max.

A presença de Damien no quarto poderia ser um alívio para Francesca, mas era impossível para Samantha não se preocupar em presenciar mais uma cena assustadora onde a amiga acabaria machucada.
avatar
Lucinda Clearwater

Mensagens : 574
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Sab Jul 23, 2016 3:16 am

Na medida em que seu corpo metabolizava a adrenalina liberada durante o ataque, Francesca se dava conta de que não havia saído tão ilesa da cena do estacionamento. Seus joelhos ralados ardiam e a pele machucada se repuxava dolorosamente até no mais sutil dos movimentos. A testa da garota latejava, exatamente no ponto em que ocorrera a pancada que abrira um corte pouco acima de seu supercílio direito. As articulações de Sullivan estavam doloridas como se ela tivesse corrido uma maratona inteira e não apenas alguns poucos metros.

Contudo, nenhuma daquelas dores superava a intensidade do vazio que Francesca sentia por estar longe de Damien. Agora que confirmara as suas suspeitas sobre o garoto, Sullivan começava a se questionar se havia algum instinto não-humano que explicasse aquela ligação sufocante entre os dois. Mas a verdade era que, independente da origem do sentimento que a ligava a Scott, Francesca não queria lutar contra ele. Pelo contrário, tudo o que a garota queria naquele instante era que Damien aparecesse naquele quarto de hotel.

Por isso, foi impossível conter um sorriso quando suas preces foram atendidas. As batidas na porta fizeram o coração de Francesca dar um salto gostoso dentro do peito e os olhos verdes se iluminaram quando Damien finalmente entrou em seu campo de visão.

Não havia medo na expressão de Sullivan. Aliás, a “vítima” de Damien parecia ser a pessoa mais tranquila daquele quarto. Scott estava tenso, Samantha e Maximilian acompanhavam a cena com bastante cautela. Mas Francesca recebeu Damien com um sorriso largo que deixava bem claro que ela não temia um novo ataque.

Sullivan havia trocado de roupas e não usava mais o vestido e o casaco com os quais fora atacada no estacionamento. A calça jeans mais justa realçava as formas do corpo dela e cumpria com perfeição a tarefa de esconder os joelhos ralados. A blusa de moletom lhe proporcionava um conforto maior. Os tênis tinham sido deixados de lado, mas Francesca ainda usava as meias num tom claro de cor de rosa. Os cabelos castanho-avermelhados estavam cheios de nós depois da correria daquela manhã, mas a menina minimizara o estrago com uma trança.

Enquanto Scott se aproximava, Francesca permaneceu sentada no meio da cama, com as pernas dobradas. Ela estendeu as mãos para pegar a sacola e um dos copos de papelão e não pensou duas vezes antes de cheirar o vapor que subia da bebida.

- Parece bom. Nós começamos bem.

Foi um alívio para Sullivan quando Samantha compreendeu que aquela era uma deixa para que ela saísse. Cavendish, por outro lado, continuou parado no canto do quarto com os braços cruzados, sem dar o menor indício de que daria ao casal a privacidade que eles precisavam para aquela conversa tão delicada.

- Eu acho que a Sam vai precisar de ajuda para carregar as sacolas, Max. – uma das sobrancelhas de Francesca se arqueou durante aquela insinuação pouco discreta – Não é exatamente gentil da sua parte deixar que uma garota saia sozinha e traga o almoço de cinco pessoas.

- Pois é. – Max repetiu o gesto de arquear a sobrancelha de forma irônica – É um dilema, porque também não é gentil da minha parte te deixar sozinha com alguém que pode arrancar a sua cabeça.

- O Jack não faria isso. – Sullivan abriu um sorrisinho ainda mais debochado – Além do mais, o Damien está aqui. Vai ficar tudo bem.

Ao notar que aquela discussão poderia se estender por todo o dia, o Alpha descruzou os braços e resolveu dar um voto de confiança para o recém-transformado. O dia claro já reduzia consideravelmente o efeito da lua-cheia sobre Scott e, depois do susto do estacionamento, era óbvio que o rapaz tinha uma motivação a mais para manter o controle.

Depois de lançar um olhar mais firme ao casal, Cavendish caminhou até a porta entreaberta e a segurou para Samantha, saindo logo atrás da morena. A porta foi fechada, mas Francesca sabia que aquela não era uma privacidade plena. Se ela erguesse a voz ou se Scott apresentasse qualquer sinal de descontrole, Max ou Jack certamente estariam dentro do quarto em poucos segundos.

Quando finalmente ficou sozinha com Damien, Francesca buscou pelos olhos dele. Só quando os olhares se cruzaram, a garota se deu conta de que não sabia exatamente o que dizer. Havia muito a ser dito, mas ao mesmo tempo nenhuma palavra parecia ser boa o bastante para amenizar o momento.

Mesmo que agora Damien já exibisse a sua familiar forma humana, os olhos esverdeados da garota se deslizaram pelo rosto dele buscando qualquer sinal dos pêlos, das presas pontiagudas e das íris amareladas. Aquela era uma imagem que jamais sairia da memória dela, mesmo se Sullivan nunca mais a visse novamente.

Ao invés de iniciar um bombardeio de perguntas, Francesca deixou o seu lanche sobre o criado-mudo e se inclinou na direção do garoto. Os braços dela se cruzaram por trás do pescoço da Damien e ela roçou o nariz no dele antes de capturar os lábios do rapaz em um beijo carinhoso.
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Maximilian Cavendish em Sab Jul 23, 2016 3:43 am

- Relaxa. Vai ficar tudo bem, eu garanto.

As palavras de Maximilian soaram enquanto ele e Samantha Archibald caminhavam no pequeno corredor externo que ligava os quartos daquela ala do hotel. A tensão da garota era visível depois de deixar Francesca e Damien sozinhos, mas o Alpha não compartilhava do mesmo temor. Max tinha experiência o bastante naquela área para saber que Scott conseguiria segurar a barra sem a influência da lua e motivado pela presença da garota com quem estava marcado.

- O que aconteceu no estacionamento foi um acidente. Ninguém esperava que vocês aparecessem aqui, então o Damien simplesmente não estava pronto para enfrentar o desafio. Agora é diferente. Ele sabe que ela está aqui e vai se concentrar em sua forma humana.

Era muito estranho falar abertamente com Samantha sobre o seu segredo, sobre os instintos do monstro que vivia dentro dele. Maximilian estava a cada minuto mais convencido de que aquela realidade aumentava cada vez mais o abismo entre ele e Sam e tornava praticamente impossível um futuro para os dois. Mas não havia mais como fugir da verdade depois que Archibald o vira transformado.

- Tem um mercado há duas quadras daqui. Se me der um minuto, eu posso te acompanhar. A Francesca obviamente queria se livrar de mim, mas ela tem razão ao dizer que serão sacolas demais pra você carregar sozinha.

Antes que Archibald pudesse questionar sobre a segurança da amiga, Max fixou as íris vermelhas nela para completar, com firmeza.

- Eu sei que é difícil confiar em mim depois de descobrir esta verdade. Mas eu te dou a minha palavra de que a Francesca ficará bem. Eu seria a primeira pessoa a continuar dentro daquele quarto se tivesse a menor dúvida sobre isso, Sam. Não é só a vida dela que está em jogo. Toda a alcateia vai desmoronar se o Damien fizer uma bobagem, então eu jamais permitiria que ele a machucasse.

Max interrompeu a sua caminhada ao parar diante da porta do quarto que ele e os amigos alugaram. Por mais que não quisesse perder tempo, o Alpha sabia que não podia sair por New England com as roupas rasgadas, muito menos com os olhos vermelhos expostos.

- Um minuto, ok?

Jack continuava largado no sofá quando os dois entraram no quarto dos rapazes. Ele não pareceu surpreso ao ver Samantha ali, o que deixava claro que seus ouvidos sensíveis tinham acompanhado a conversa no corredor. E talvez até mesmo a conversa no interior do outro quarto.

- Foi mal. – Jack suspirou sem olhar para Max, os olhos escuros ainda encarando o teto – Ele saiu correndo do nada. Eu achei que fosse cheiro de carne, sei lá. Como eu iria imaginar que a garota estava aqui? De todas as pessoas do universo, a menina que o Scott marcou era a última criatura que deveria ter aparecido naquele momento!

- Tudo bem, Jack. Acabou tudo bem, eles vão se entender. Ninguém te culpa pelo ocorrido, realmente não tinha como prever uma coisa dessa.

Enquanto falava, Max abriu a bolsa esportiva e tirou uma calça jeans nova e uma camiseta preta. O frasco com as lentes de contato estavam sobre a mesinha do quarto e foram levadas junto com as roupas para o banheiro anexo ao cômodo.

Cavendish realmente não demorou mais que dois minutos para trocar as roupas. Quando o Alpha saiu do banheiro usando as peças novas e já com os olhos normalmente azulados, as suspeitas de Samantha foram confirmadas. Os lobisomens realmente tinham a audição extremamente sensível.

- Fique atento. – o alerta foi feito para Jack enquanto Max pegava sua carteira dentro da mochila.

- Relaxa, não estou perdendo nenhuma palavra. O moleque está tranquilo, vai ficar tudo bem.
avatar
Maximilian Cavendish
Admin

Mensagens : 97
Data de inscrição : 13/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Damien Scott em Sab Jul 23, 2016 3:57 am

Toda angustia, toda aflição de Damien desapareceu no instante em que os lábios de Francesca tocaram os seus, fazendo com que o desastre daquela manhã se tornasse um incidente distante, quase irrelevante.

Não havia lobisomens, nem lua cheia e nem o descontrole do seu lado humano. A única coisa que fazia sentido no mundo era sua necessidade de ter Sullivan e de como seus lábios eram macios e doces.

Nos primeiros segundos, Damien demorou a compreender o que estava acontecendo enquanto suas preocupações iam sumindo como uma sujeira que escorre pelo ralo com a água limpa. Ele levou tempo demais sem corresponder o beijo, se mantendo estático enquanto seu corpo absorvia a sensação de alívio, como se tudo estivesse voltando ao seu devido lugar.

Por fim, a mente de Scott lhe ordenou que erguesse os braços e ele pousou as mãos na cintura de Sullivan, unindo seu corpo ao dela. Por ainda estar sobre o colchão, Francesca conseguia ficar alguns poucos centímetros acima de Damien, mas aquilo só tornava o contato ainda mais fácil.

O coração de Damien começou a bater mais rápido quando o beijo se tornou mais intenso e ele ergueu uma das mãos, afundando os dedos na raiz dos cabelos castanhos-avermelhados que cobriam sua nuca, afrouxando levemente a trança da menina.

Sua língua acariciava a de Francesca, saciando não só o seu alívio emocional, como o forte desejo e atração que sentia por ela. Damien só se viu obrigado a se separar quando seus pulmões começaram a protestar. Mesmo assim, quando os lábios quebraram o contato, ele permaneceu com a testa apoiada na dela.

O curativo de Sullivan escondia o corte em seu supercílio, mas Damien ainda era capaz de sentir o cheiro do sangue se misturando ao perfume gostoso dela. Um nó se formou em sua garganta enquanto ele sentia a angustia querendo voltar, lutando contra os sentimentos terríveis de antes.

- Como você pode me beijar depois de ter visto aquilo, Fran?

A testa de Damien estava franzida e seu rosto contorcido em uma expressão dolorosa, mas os olhos ainda estavam fechados e seus lábios quase roçavam os de Francesca enquanto ele falava.

- Você não devia estar aqui, muito menos depois de tudo que aconteceu. Eu poderia ter te machucado. E não estou falando desses cortes superficiais, mas ter te machucado pra valer, Fran.

Damien puxou a cabeça para trás em alguns centímetros, apenas o suficiente para encarar Francesca. Uma de suas mãos continuava apoiada na cintura dela e a outra afundada em seus cabelos. Suas pálpebras finalmente se ergueram e a cor natural dos seus olhos estava novamente lá quando ele estudou cada traço do rosto de Sullivan, tentando encontrar qualquer sinal de que a menina havia enlouquecido.

- Eu não queria ter surtado. Me perdoa por te assustar, linda...
avatar
Damien Scott

Mensagens : 300
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Lucinda Clearwater em Sab Jul 23, 2016 4:19 am

O caminho até o estacionamento do hotel foi feito no mais completo silêncio. O lugar continuava tão deserto quanto durante a madrugada, com exceção do fluxo de carros que passava pela estrada, que havia aumentado ligeiramente.

O som do alarme do volvo de Archibald apitou quando ela destravou as portas com a chave em suas mãos e ela imediatamente assumiu o banco do motorista enquanto Cavendish entrava pela porta do carona. No instante em que deu a partida, a música do Maroon 5 voltou a ecoar no interior do carro, mas Samantha se apressou em desligar a mídia, permitindo que o silêncio predominasse.

Atenta a todos os espelhos e a visão da ré que aparecia no centro de mídia, ela guiou o carro, escutando o som do cascalho sendo amassado sob as rodas, e só teve coragem de se pronunciar quando já haviam alcançado a estrada.

- O que o Jack quis dizer sobre o Damien ter marcado a Francesca?

Aquele mundo era inteiramente novo para Samantha, de modo que seu primeiro instinto foi pensar que Scott havia feito algo contra Sullivan. Algo talvez ruim o bastante para que ela não surtasse com aquele absurdo todo. Talvez fosse mais uma das habilidades dos lobisomens, mas seja lá o que fosse, não parecia ser algo muito bom.

- Ele não a hipnotizou nem nada do tipo, não é?

Samantha tinha uma expressão cansada, como resultado das noites mal dormidas. Seus cabelos estavam bagunçados, levemente disfarçados pela touca branca que ela havia enfiado na cabeça antes de sair.

Seu casaco preto era grosso e com largos botões redondos. A bota de cano baixo mantinha seus pés aquecidos, mas os dedos ao volante só não estavam congelando graças ao aquecedor ligado, com o jato quente direcionado para suas mãos.

Graças a estrada tranquila, rodeada de árvores altas, Sam permitiu virar o rosto para encarar o perfil de Max. Os olhos azuis estavam de volta e seria fácil se deixar enganar, acreditando que tudo havia voltado a ser como antes. Mas Samantha sabia que jamais seria capaz de esquecer a forma de lobo que Cavendish havia assumido naquela manhã.

O carro deslizava suavemente pela estrada lisa e Sam começou a contornar um lago cristalino, já com o tímido mercado em vista.

Embora sua curiosidade fosse sincera, era mais fácil falar sobre Francesca e Damien do que encarar o que realmente importava, porque Sam ainda não estava preparada para discutir com Max sobre o que aquela descoberta significava para os dois.

- Super velocidade, audição hipersensível, transformação, força, olfato, marcação em garotas... Tem mais alguma coisa que eu precise saber sobre vocês?
avatar
Lucinda Clearwater

Mensagens : 574
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Sab Jul 23, 2016 4:29 am

- Eu sei.

As palavras de Francesca foram sussurradas, mas a entonação firme não deixava dúvidas de que a garota estava falando sério. Ela já havia lido muitas vezes os relatos do diário do Sr. Sullivan sobre lobisomens, o suficiente para não duvidar da selvageria daquelas criaturas. Mesmo com a certeza de que Scott poderia tê-la matado naquela manhã, Francesca não conseguia culpá-lo pelo ocorrido, e muito menos suportava a ideia de ficar longe dele.

- Eu sei. Mas você não me machucou, é isso que importa. – um dos braços de Sullivan permaneceu enlaçado em torno do pescoço do rapaz enquanto ela usava a outra mão para acariciar o rosto dele com as pontas dos dedos – Vai ficar tudo bem. Logo você terá tanto controle quanto o Max ou o Jack, então não precisaremos mais nos preocupar com isso.

O discurso de Francesca deixava claro que ela não pretendia desistir de Scott, mesmo depois de confirmar as suas suspeitas sobre os segredos dele. Era um pensamento irracional, mas a verdade é que Sullivan não se importava em imaginar um lobisomem em seu futuro. Provavelmente aquilo a privaria de muita coisa, mas nenhuma ideia era tão sufocante e desesperadora quanto pensar numa vida sem Damien.

É claro que a marcação explicava a reação da menina, mas aquele não era o único combustível que levara Francesca naquela direção. Depois de ler o diário de Rick Sullivan, Francesca já estava um pouco mais preparada para a verdade e para aquele mundo sobrenatural que a maior parte das pessoas não conhecia. Ao contrário de sua família, porém, a menina queria se aliar a um monstro ao invés de tentar exterminá-lo.

- Eu já sabia...

A voz de Sullivan não saiu pela garganta dela, somente seus lábios se moveram formando aquelas palavras para que Damien pudesse lê-las. O diário de Richard mencionara tantas vezes a audição apurada dos lobisomens que Francesca tinha quase certeza de que Max e Jack poderiam escutá-la mesmo do outro lado do hotel. E, definitivamente, aquela era uma revelação que deveria ser feita somente para Scott porque Francesca sabia que Damien jamais faria nada para magoá-la.

- Quer dizer, eu tinha quase certeza.

A voz de Francesca novamente não saiu, somente um suspiro mais pesado ecoou suavemente pelo quarto. Os olhos esverdeados refletiam uma profunda insegurança, mas Sullivan se obrigou a confiar naquele instinto que lhe dizia que o seu segredo estaria seguro com Damien.

Era justo que ela compartilhasse aquilo com ele depois de descobrir toda a verdade. Não fazia sentido dizer a Scott que não deveria mais haver segredos entre os dois quando ela escondia algo tão sério dele.

- Meu pai. E o Paolo também. – os lábios de Francesca se comprimiram suavemente antes de formaram aquelas palavras – São caçadores.

A intenção de Francesca era abrir o jogo para que os dois pudessem seguir adiante sem segredos. Mas, com aquela revelação, a garota acabava de colocar Damien em uma situação bastante complicada.

Aquele era um segredo que comprometeria toda a alcateia. Como um membro fiel do grupo, Damien tinha o dever de alertar os amigos sobre a identidade dos caçadores que agiam em Nova York. Por outro lado, se aquela história se espalhasse e algo acontecesse aos Sullivan, Francesca jamais o perdoaria por tamanha traição. E, pior, a caçula poderia se tornar uma vítima simplesmente por também carregar o sangue dos Sullivan.
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Maximilian Cavendish em Sab Jul 23, 2016 5:09 am

Como já esperava por uma avalanche de perguntas, Maximilian não se incomodou com os questionamentos de Samantha. Pelo contrário, o Alpha estava surpreso ao ver a garota selecionar tão bem as perguntas e, principalmente, por manter o foco no relacionamento entre Damien e Francesca. Com um gosto amargo na boca, Max interpretou aquilo como um sinal claro de que Sam já havia descartado por completo qualquer possibilidade de um relacionamento entre os dois.

- Hm, deixe-me ver... – Cavendish realmente ponderou sobre as indagações dela – Os recém-transformados tem um gosto peculiar por carne mal passada, como o Jack mencionou. Não sentimos muito frio também...

A escolha das roupas de Cavendish provava aquela última teoria. Enquanto Samantha precisava de peças quentes e do aquecedor do carro para se manter confortável, Maximilian parecia extremamente tranquilo usando somente uma calça jeans, tênis e uma camiseta de mangas curtas.

Enquanto Archibald guiava o carro na direção do mercado, Max respondia às perguntas dela principalmente para que o interior do veículo não mergulhasse em um silêncio sufocante e constrangedor.

- A marcação não é uma hipnose. Não precisa fazer essa cara, o Damien não fez nada errado. Pelo contrário, ele não teve escolha. A marcação é algo que simplesmente ocorre, independente da vontade do lobo.

Até mesmo para um Alpha, era difícil explicar a intensidade daquele instinto. Maximilian nunca experimentara a força de uma marcação em si, então tudo o que sabia era a teoria sobre o processo e a vivência de acompanhar um amigo naquela situação.

- É uma espécie de ligação instintiva entre uma garota e um lobo. É difícil explicar, mas é como se houvesse uma magia que une as duas almas. Os dois experimentam a sensação de que só estão completos quando estão juntos. É um sentimento que vai durar para sempre, independente de qualquer coisa, mesmo que eles decidam não ficar juntos, mesmo que o destino os separe.

Mesmo depois que Samantha parou o carro em uma das vagas diante do pequeno mercado de New England, os dois continuaram no veículo para que pudessem terminar aquela delicada conversa sem que ninguém escutasse a estranheza daquele assunto.

- O Damien seguiu o rastro dela hoje não para atacá-la, mas para defendê-la. Ele tem este impulso de proteção para com ela, mas precisa aprender a controlar os demais instintos para garantir que nunca irá machucá-la. A Francesca o deixa mais forte, mas também aflora os instintos mais primitivos dele. A marcação geralmente ocorre com lobos mais experientes, o que diminuiu bastante os riscos. Mas o Damien teve o azar de cruzar o caminho da garota certa um dia depois de ganhar a maldição. Tem sido bem complicado pra ele lidar com tudo isso.

Mesmo que Samantha estivesse se esforçando para manter o foco da conversa em Damien e Francesca, Maximilian não hesitou em acrescentá-los no assunto. Os lábios do rapaz se repuxaram num sorriso forçado e ele tentou transformar aquele comentário numa brincadeira, embora sua real intenção fosse deixar claro para Sam que não era aquele tipo de atração que havia unido os dois.

- O Jack também marcou uma garota. Mas eu confesso que me sinto reconfortado por não ter acontecido comigo. Eu olho para os dois com um profundo alívio por ainda ter controle da minha mente e das minhas escolhas.

O sorriso forçado de Max se transformou numa careta quando o rapaz completou o raciocínio num murmúrio meio amargo.

- Mas, por outro lado, a marcação é um elo forte demais para os dois lados. O Damien e o Jack nunca precisarão se preocupar com o risco de serem trocados por outro cara.
avatar
Maximilian Cavendish
Admin

Mensagens : 97
Data de inscrição : 13/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Damien Scott em Sab Jul 23, 2016 5:10 am

As palavras de Francesca soavam em menos que um sussurro e Damien só era capaz de compreender graças a audição sensível e a leitura do movimento de seus lábios. Apesar disso, aquela pequena confissão o atingiu com mais força do que um soco na boca do estômago.

Scott cambaleou dois passos para trás, quebrando por completo o contato com Sullivan. A distância entre os dois ainda era curta e se ele esticasse os braços, poderia voltar a tocá-la, mas ainda assim um frio súbito se espalhou pelo seu corpo, protestando pelo fim do contato.

Seus olhos estavam ligeiramente arregalados e a testa franzida. Sua boca estava aberta em surpresa e as mãos foram erguidas diante do seu corpo em um gesto bobo, como se pedisse para que Francesca se acalmasse, embora fosse ele que sentisse o chão desaparecer sob seus pés.

Aquele mundo se tornava cada vez mais a sua realidade e ele já havia ouvido os outros membros da alcateia falando sobre caçadores antes, mas sempre estivera ocupado demais pensando em sua maldição e o novo estilo de vida para considerar aquilo um verdadeiro perigo.

Mais bizarro do que enfrentar a ideia de caçadores por perto, era saber que Francesca pertencia a uma família que lutava contra sua espécie. Aquilo explicava a calma da menina diante daquela realidade. Para ela, nada daquilo era uma novidade. Ela sabia sobre lobisomens, alfas, betas e os efeitos da lua cheia. Provavelmente conhecia mais sobre seus sintomas do que ele próprio.

A lembrança de Paolo lhe apontando uma arma na testa invadiu sua mente e, pela primeira vez, Scott realmente se sentiu ameaçado pelo irmão mais velho de Francesca. Será que ele também desconfiava, assim como a irmã? Se tivesse certeza da maldição, provavelmente teria puxado o gatilho naquela tarde.

Parecia absurdo culpar a caçula dos Sullivan por aquele segredo, principalmente quando ele havia escondido um segredo tão grave quanto. Mas Damien se sentia traído por pensar que Francesca sabia daquele universo por tanto tempo sem lhe dar ao menos dicas.

Embora ainda estivesse completamente abismado, Damien tinha consciência da proximidade de Jack e sabia que aquela conversa não estava sendo inteiramente particular. Por isso, ele tentou se controlar quando soltou um suspiro pesado.

- Não vamos ter esta conversa aqui. – Ele usava o mesmo tom sussurrado que Sullivan, os olhos a encarando sem ao menos piscar. – É melhor você e a Samantha voltarem para Nova York o quanto antes e conversamos quando eu voltar.

Para aliviar as próprias batidas em seu coração, Scott ergueu uma das mãos e se aproximou um passo, deslizando uma mecha solta da trança por trás da orelha de Francesca.

- Eu ainda tenho uma longa semana pela frente e não quero arriscar tudo outra vez. Vocês podem descansar hoje, mas precisam ir embora.

Seu coração se espremia com a ideia de se afastar novamente de Francesca, mas a mente de Damien lutava para ser racional. Ele quase podia ouvir a voz de Max no fundo de sua mente, concordando com sua decisão.

Com as pontas dos dedos, Scott segurou o queixo de Francesca e acariciou a pele macia com o polegar, erguendo o rosto dela para que pudessem se encarar.

- Apenas me prometa que não vai contar para ninguém o que aconteceu aqui, Fran.

Damien sabia que a menina seria incapaz de sair espalhando seu segredo para qualquer um, mas aquela nova revelação fazia com que seus temores viessem à tona. Ele não sabia até onde aquela marcação ou os sentimentos de Sullivan o manteriam em segurança. Se a fidelidade dela com a família fosse maior, logo Paolo também teria certeza sobre a maldição que o assombrava e seria questão de tempo até toda a alcateia estar em perigo.
avatar
Damien Scott

Mensagens : 300
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Lucinda Clearwater em Sab Jul 23, 2016 5:33 am

Samantha ouvia atentamente cada uma das palavras de Max, incapaz de se virar para encará-lo. Era estranho estar novamente tão perto dele, sendo necessário apenas esticar a mão para tocá-lo, e precisando manter a distância.

Com tantos acontecimentos recentes, Sam não sabia mais como agir ao lado de Cavendish. Na última vez em que estiveram juntos, Max havia deixado claro que os dois tinham desperdiçado a chance de ficarem juntos e que ela deveria voltar para Caleb. Depois, a mensagem de texto pedindo uma nova conversa havia feito uma pequena fagulha de esperança brotar em seu peito e então a revelação sobre a existência de lobisomens colocava todo o restante em segundo plano.

Além do lado racional, o coração de Sam estava em conflito com o que deveria escolher, embora estivesse bastante claro que ela ainda desejava apenas Max.

Seu olhar estava fixo em suas unhas pintadas de um rosa claro, as mãos unidas em seu colo, enquanto Max descrevia aquele elo existente entre Damien e Francesca. Era ainda mais bizarro invejar a amiga, mas intimamente, Sam queria que Max a tivesse marcado, para que os dois tivessem certeza que pertenciam um ao outro. Ao menos assim, nenhuma de suas desculpas para se manter afastada de Cavendish faria sentido.

O carro permanecia ligado, com um ronco quase silencioso. O templo começava a nublar e as dezenas de árvore que cercavam o lago projetavam sombras no estacionamento. Sam havia parado em uma vaga mais afastada, e mesmo com o vento frio do lado de fora, o aquecedor do carro começava a deixar suas bochechas coradas.

O último comentário de Max fez com que ela erguesse a cabeça finalmente para encará-lo. Por alguns segundos, Samantha permaneceu em silêncio, com os lábios entreabertos e o olhar preso em Cavendish. Ela tinha certeza que ele era capaz de ouvir as batidas do seu coração, então não fazia sentido agir com indiferença.

Uma de suas mãos foi erguida de seu colo, saindo da reta do ar quente, até encontrar os dedos de Max do outro lado do câmbio. Mesmo com as saídas de ar do lado do carona fechadas, a pele de Cavendish continuava agradável e Sam permitiu deslizar o polegar em uma carícia.

- Isso quer dizer que você ainda pode marcar outra pessoa?

Sam se xingou quando percebeu o tom de voz enciumado por uma mulher que sequer existia, mas era tarde demais para voltar atrás. Além do mais, ela precisava daquela resposta mais do que qualquer outra coisa.

- E que quando isso acontecer, o que você sentiu por mim vai ser completamente insignificante e você vai me esquecer para começar a agir feito um idiota como o Damien atrás da Francesca?
avatar
Lucinda Clearwater

Mensagens : 574
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Sab Jul 23, 2016 5:35 am

- Eu não vou contar a ninguém.

A entonação de Francesca ao pronunciar o “ninguém” deixava claro que a garota incluía o pai e o irmão naquela promessa.

Por mais que ela se sentisse culpada por se tornar uma cúmplice de uma das criaturas que os Sullivan combatiam, Francesca não suportava a ideia de ver Paolo e Damien em lados opostos de uma guerra mortal. A garota amava o irmão, mas tinha uma ligação forte demais com Scott para conseguir dar as costas para o rapaz naquele momento.

Intimamente, Francesca repetia para si mesma que a sua escolha não era tão errada. Ela não estava protegendo um lobisomem assassino como aqueles que Richard mencionara em seu diário. Scott nunca havia matado ninguém e só queria viver em paz.

A forma como Maximilian e Jack se mostravam bem adaptados à vida humana era um incentivo a mais para que Francesca acreditasse que as coisas podiam ser diferentes com Scott, que ele poderia controlar seus instintos e nunca se tornar o monstro sanguinário descrito pelo Sr. Sullivan.

- Eu guardarei o seu segredo... – a menina completou, novamente sem permitir que a sua voz ecoasse pelo quarto do hotel – ...e você guardará o meu.

O semblante sério de Sullivan mostrava que ela incluía Max e Jack naquele pedido. Por mais que os dois rapazes viessem demonstrando um comportamento amigável, Francesca sabia que colocaria o pai e o irmão em risco se a verdade sobre a “profissão” dos Sullivan caísse nos ouvidos dos lobisomens.

A verdade só fora dita para Damien porque Francesca não achava justo exigir a verdade dele quando ela própria guardava um segredo tão importante.

- Temos mesmo que conversar. Já estou meio farta de você sempre adiar as nossas conversas, mas desta vez eu concordo.

Os lábios volumosos da garota se comprimiram enquanto ela olhava para a parede do outro lado do quarto, imaginando que Jack estava há alguns metros, acompanhando cada sílaba daquela conversa que deveria ser íntima.

- Vamos embora amanhã cedo, ok? A Sam dirigiu a noite toda, ela deve estar exausta. – Francesca arriscou uma brincadeira para suavizar um pouco o clima – Talvez na volta nós duas nos alternemos no volante. O que é um Volvo para quem domina a arte de dirigir um Impala em Nova York?

O sorrisinho debochado de Sullivan denunciava que a menina tinha plena noção de suas habilidades nada louváveis atrás de um volante. Antes que Damien reclamasse daquela ideia, Francesca denunciou a brincadeira com um risinho e novamente se inclinou, desta vez apenas roçando seus lábios no rosto de Scott.

- Meu próximo desafio é dirigir a sua moto, fofinho.
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Maximilian Cavendish em Sab Jul 23, 2016 3:41 pm

Pela primeira vez na vida, Maximilian desejou uma marcação. Aquilo era algo que sempre o preocupava porque era um instinto que poderia comprometer toda a alcateia. Como um bom líder, Max sempre colocava os interesses do grupo em primeiro lugar, mas certamente isso mudaria se uma marcação colocasse uma garota no centro da vida do Alpha.

Por outro lado, a marcação resolveria todos os problemas que Cavendish enfrentava naquele relacionamento confuso com Samantha Archibald. Não haveria mais dúvidas ou inseguranças se um instinto irracional exigisse que os dois ficassem juntos. Max nunca mais se atormentaria com o risco de ser trocado pelo namorado perfeito de Archibald e a garota não teria dúvidas de que deveria escolher ele, e não Caleb.

Entretanto, infelizmente aquela não era uma escolha racional para Cavendish. Samantha certamente seria a escolhida se Max tivesse poder sobre a própria marcação, mas aquele era um elo que acontecia por acaso, independente do desejo de qualquer lobisomem. E, exatamente por isso, Maximilian não podia prometer à Samantha que ela jamais enfrentaria a difícil situação de vê-lo marcado com outra garota.

Por mais que os ciúmes expressos na voz de Archibald dessem a Max a esperança de ainda ter uma chance com a menina, o Alpha sabia que Samantha não merecia promessas falsas. Agora que a garota conhecia o maior segredo dele, Maximilian não estava disposto a tecer uma nova rede de mentiras.

- Nem todos os lobos são marcados. Eu não saberia estimar exatamente a porcentagem, mas não é algo que acontece com todos. Eu já estou nesta vida há tantos anos que acho que pertenço ao grupo imune a este instinto.

Aquilo era algo que Max gostava de repetir para si mesmo. O Alpha já carregava a maldição há mais de uma década, já havia cruzado o caminho de muitas pessoas, já vira vários amigos se tornarem “vítimas” de uma marcação. Cavendish gostava de pensar que, se tivesse que acontecer, era algo que já teria acontecido com ele. Mas é claro que este raciocínio lógico não era uma garantia concreta.

Os olhos de Maximilian, agora azuis graças às lentes de contato, desceram vagarosamente até que a imagem das mãos unidas entrasse em seu campo de visão. Por alguns segundos, Max simplesmente admirou o contraste que existe entre ele e Samantha. Os dedos delicados dela faziam com que a mão do Alpha parecesse ainda maior.

O leve movimento do polegar de Sam foi capaz de arrancar um arrepio de Max. Os dedos dele se moveram para retribuir à carícia antes de se entrelaçarem aos dela. Mesmo distante do aquecedor do carro, a mão do Alpha estava tão quente quanto a da garota.

- Eu não posso te garantir que isso nunca vai acontecer, Sam. Se dependesse apenas de mim, eu jamais permitiria que você passasse por esta situação. Mas não posso prometer nada. Só o que posso dizer é que eu não gostaria que isso acontecesse. Ou, melhor ainda, eu queria que acontecesse e que fosse você.

Era extremamente difícil para Maximilian deixar o orgulho de lado e abrir o coração para uma garota que havia lhe provocado uma mágoa tão grande. Samantha não só mentiu sobre a existência de um namorado, como ainda permanecia visivelmente confusa sobre continuar com Caleb ou dar uma chance a um novo amor.

Cavendish sabia que não tinha o direito de julgar Archibald pelas dúvidas dela, muito menos agora que a garota sabia toda a verdade sobre Max e o mundo sobrenatural que o cercava. Aliás, qualquer menina voltaria correndo para os braços do namorado perfeito depois de presenciar a transformação de um Alpha. Samantha merecia créditos por ainda estar ali e por não ter descartado de imediato a possibilidade de ter um lobisomem em seu futuro.

Este raciocínio fez com que um sorriso mais leve brotasse nos lábios de Max. A mão livre do rapaz foi erguida e alcançou o rosto de Archibald, encaixando-se com perfeição na curva delicada da mandíbula dela. Mesmo que não existisse entre eles o elo irracional de uma marcação, o semblante carinhoso de Maximilian não escondia o quanto ele gostava de Samantha.

- O que eu sinto por você nunca será completamente insignificante. Esta é uma promessa que eu posso fazer, Sam. Eu não vejo como poderia esquecer uma garota tão bizarra. Você é única.
avatar
Maximilian Cavendish
Admin

Mensagens : 97
Data de inscrição : 13/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Damien Scott em Sab Jul 23, 2016 7:15 pm

Embora soubesse que Francesca estava apenas brincando com a insinuação de dirigir o volvo de Archibald, os músculos de Damien ficaram tensos com a imagem enquanto sua mente já reproduzia o perigo daquela pequena aventura.

A marcação de fato trazia um elo irracional, porque independentemente do nível de verdade nas palavras de Francesca, a simples ideia de vê-la em perigo era capaz de colocar todos os seus sentidos em alerta.

Scott soltou um suspiro, ordenando ao próprio corpo que relaxasse, e acariciou a lateral do corpo de Sullivan com suas mãos, reforçando a si mesmo que ela estava bem ali, em segurança e que nem mesmo ele poderia apresentar algum risco para ela.

- O dia em que inventarem rodinhas para a minha moto, eu deixo você dirigir. Mas lógico, com o kit completo: capacete, joelheira, cotoveleira e um colchão amarrado a sua volta.

A expressão suave em seu rosto denunciava que aquele cuidado exagerado era uma brincadeira, embora não fosse necessário dizer nenhuma palavra para que Sullivan soubesse que ele sempre a manteria em segurança.

Os dois ainda tinham muito o que conversar, e agora não fazia mais sentido que Damien continuasse se esquivando dos assuntos delicados que Francesca gostaria de abordar. Seria necessário adiar apenas mais algumas horas, mas Scott finalmente poderia se abrir para Sullivan sem medo que ela se esquivasse.

Ao mesmo tempo que todas as revelações, de ambas as partes, provocassem um turbilhão de emoções e conflitos, Damien se sentia mais leve em não precisar esconder nada de Francesca. Só agora que seu coração parecia flutuar em seu peito, ele havia se dado conta de que havia sofrido por tanto tempo. Não haviam mais barreiras entre os dois e eles só precisariam lidar com o pequeno detalhe de ser um lobisomem apaixonado por uma menina de uma família de caçadores.

- Preciso confessar que de todos os relacionamentos que eu fugi até hoje, acabei me envolvendo no mais complicado de todos. – Ele acabou confessando, denunciando os seus pensamentos. – Acho que no fundo, sou eu que não resisto meninas de cabelos avermelhados e com nomes italianos, particularmente as Sullivan.

Damien segurou a ponta do queixo de Francesca e a beijou com carinho. Embora estivesse inteiramente concentrado no calor de Sullivan em seus braços, ele foi capaz de ouvir um resmungo distante, denunciando que Jack ainda estava presente.

- Quanta melação, fofinho. Vocês, meninos de escolas particulares, são obrigados a ler romances demais.

A voz de Jack soou bem distante, e Francesca não seria capaz de ouvir, mas foi o suficiente para Damien soltar um risinho enquanto interrompia o beijo. Diante do olhar confuso da menina, ele alargou o sorriso.

- Já que a gente não pode se livrar inteiramente do Jack, podemos pelo menos deixa-lo incrivelmente desconfortável...

Damien mordeu o lábio inferior e novamente afundou as mãos nos cabelos de Francesca, afrouxando a cada gesto a trança. Para deixar o seu plano ainda mais evidente, Scott a puxou de encontro ao seu corpo e iniciou um beijo intenso, se inclinando levemente até que os dois estivessem deitados na cama.
avatar
Damien Scott

Mensagens : 300
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Sab Jul 23, 2016 8:06 pm

- É sério, Damien!? O que precisamos fazer para conseguir um pouco de privacidade aqui? O Jack está há um passo de se tornar um terceiro componente no nosso relacionamento. Daqui a pouco eu vou me esquecer de como é ficar com você sem ter o Jack como babá.

Os lábios de Francesca se contorceram numa careta de insatisfação enquanto os olhos verdes novamente se viravam para a parede vazia, como se a garota fosse capaz de enxergar Jack no outro quarto, acompanhando todas as sílabas ditas por eles.

Não era exatamente reconfortante saber que um lobisomem escutava cada um dos ruídos do quarto mesmo estando há metros de distância e bloqueado por várias paredes. Mas, apesar do constrangimento, Francesca não conseguiu resistir à brincadeira sugerida por Scott. Era praticamente impossível impor uma distância entre os corpos quando cada uma de suas células parecia implorar por aquele contato com Damien.

Sem interromper o beijo, Sullivan deixou escapar uma risadinha anasalada quando Damien se inclinou sobre ela até que os dois tombassem sobre a cama. As molas do colchão velho rangeram sob o peso dos dois corpos e aquele barulho se repetiu quando Francesca forçou o corpo de Scott para o lado, rolando-o até que ela ficasse por cima dele.

- O Jack precisa saber quem manda aqui.

As duas mãos de Francesca se apoiaram no peito do rapaz para mantê-lo preso ao colchão. Mesmo sentada sobre Damien e com todo o peso do seu corpo forçando-o para baixo, Sullivan não tinha a menor ilusão de que era mais forte que o garoto. Mesmo se Scott fosse um rapaz comum, seus músculos reverteriam facilmente aquela situação. Para um lobisomem, então, a força necessária para inverter as posições era ridícula. Ainda assim, Francesca se divertia com a ideia de que, pelo menos naquele momento, ela estava no domínio da situação.

- É bom saber qual o seu perfil preferido de garotas. Se algum dia eu conhecer alguma ruiva com nome italiano, vou tratar de tirá-la do seu caminho pessoalmente.

Havia uma dose generosa de ciúmes naquela brincadeira de Francesca. Por mais que sentisse que ela e Damien possuíam uma ligação intensa, a garota não conseguia ignorar o desconforto com a simples ideia de Scott se interessar por outra garota. Era um instinto irracional e completamente insano para Francesca, mas, no momento, Sullivan não fazia a menor questão de entender como poderia estar tão apaixonada por ele.

Como se quisesse deixar o seu território ainda mais bem marcado, Francesca inclinou o tronco na direção de Damien. Os lábios dos dois novamente se uniram com intensidade e, por um momento, nenhum dos dois parecia se lembrar que Jack era um espectador indireto daquela cena.

As mesmas mãos que empurravam o peito de Scott se enfiaram por baixo da blusa dele, tocando diretamente a pele quente do rapaz. Francesca sentiu um arrepio se espalhar pelo seu corpo enquanto os dedos delicados absorviam o calor de Damien e deslizavam sobre os músculos bem definidos dele.

As respirações dos dois se tornaram mais pesadas. Além do som do colchão velho, os suspiros que eles deixavam escapar eram os únicos sons produzidos pelo quarto. Embora o clima de New England estivesse congelante lá fora, Francesca começou a sentir um calor insuportável dentro daquele cômodo.

- Damien...

A voz de Francesca soou baixinha e meio ofegante. A visão dela estava completamente turva e o coração batia ainda mais acelerado do que quando ela fora perseguida por um lobisomem no estacionamento. Embora o seu corpo inteiro implorasse por Scott, a menina foi capaz de se controlar o suficiente para uma decisão racional.

- Aqui não.

As mãos de Sullivan se afastaram vagarosamente da pele do rapaz. Francesca nunca fora uma menina absurdamente romântica, que sonhava com um namorado perfeito, que perdia tempo imaginando cenas melosas. Mas, definitivamente, aquilo era demais até mesmo para ela. Por mais que gostasse de Damien e que soubesse que ele era o cara certo, Sullivan não estava pronta para a sua primeira vez num hotel de beira de estrada, com todo o “espetáculo” sendo acompanhado por uma terceira pessoa.

- Eu não quero que seja assim. Eu nunca... – os olhos de Francesca giraram enquanto suas bochechas adquiriam um tom mais corado pelo constrangimento daquela confissão – Você sabe. E agora o Jack sabe também e vai contar pro Max, que vai contar pra Sam, que vai contar pras garotas do colégio... Acho que vou publicar no Facebook de uma vez, assim economizaremos tempo.
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Lucinda Clearwater em Sab Jul 23, 2016 8:38 pm

Samantha tinha um grande talento em usar a lógica, em ser racional. Fazer listas de prós e contras sempre havia sido sua melhor forma de chegar até a melhor escolha e já era um habito muito maior do que seu controle. Antes mesmo que se desse conta, ela começava a ponderar os lados positivos e negativos de suas opções.

Com Caleb e Max nunca havia sido diferente. Por diversas vezes, Archibald havia feito listas mentais e, em cada uma delas, Caleb era sempre a escolha mais segura. Além do carinho com que sempre havia lhe tratado, os dois tinham um futuro bem definido, e mesmo quando foi traído, Stark se mostrou disposto a lutar para manter Sam ao seu lado.

A única coisa que mantinha Max como uma opção era o desejo incontrolável de estar com ele, de beijá-lo mais uma vez e de sentir todo o seu corpo responder ao menor dos seus toques. Caleb poderia ser a melhor opção, mas não tinha a menor chance enquanto Samantha estivesse perdidamente apaixonada por Cavendish.

Max havia desistido dos dois na primeira dificuldade, mas ainda assim, bastavam aquelas palavras para Sam se esquecer por completo da escolha segura e querer mergulhar de cabeça naquele futuro incerto, desde que pudesse continuar sentindo as borboletas em seu estômago.

Ao sentir a carícia dele em seu rosto, Sam fechou os olhos, deixando o mundo a sua volta desaparecer para viver apenas aquele momento. Quando os olhos castanhos foram revelados outra vez, estavam brilhando intensamente.

- Nós dois fizemos tudo errado. Foram mentiras e mais mentiras, mas sempre fui sincera sobre os meus sentimentos, Max. Desde o começo eu sabia que não estava certo, tentei fugir e você sabe disso... Mas eu não conseguia ficar longe.

Sam havia inclinado todo o seu corpo de forma a ficar de frente para Max. Uma de suas pernas estava dobrada por baixo da pare interior do seu joelho, aproveitando o pequeno espaço do carro. Sua cabeça foi recostada no banco e alguns de seus fios escuros deslizaram pelo seu rosto. Ela precisou puxar uma mecha para trás da orelha, de modo a manter o rapaz em seu campo de visão.

- Sinto muito por ter magoado você. Eu devia ter resolvido a situação o quanto antes, mas acabei machucando todo mundo.

Um sorriso tentou brincar nos lábios de Archibald, mas seu cansaço e a tensão daquela conversa pareciam dificultar até mesmo aquele gesto simples.

- Eu não sei se era isso que você esperava ouvir quando pediu um novo encontro quando voltasse da sua “viagem de trabalho”. Mas é o que estou tentando te dizer desde o meu aniversário, Max... Só queria que as coisas tivessem sido mais simples entre a gente.
avatar
Lucinda Clearwater

Mensagens : 574
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Damien Scott em Sab Jul 23, 2016 9:02 pm

Quando sugeriu que deixassem Jack desconfortável por escutar aquele momento íntimo, Damien não pensou em seguir até o fim. Sua ideia era poder ficar algum tempo trocando carícias com Francesca, aproveitando aquele raro momento em que poderiam ficar a sós, sem sombra de um irmão raivoso.

Mas bastou que Sullivan assumisse o controle para sua mente perder o raciocínio e seus sentidos se entregarem por inteiro ao momento. Nem mesmo Jack era um pensamento viável. A única coisa que importava era sua pele quente, os lábios úmidos de Francesca e suas carícias que lhe provocavam intensos arrepios.

Quando a menina interrompeu o momento, Damien franziu a testa e a encarou suplicante, protestando silenciosamente. Mas a confissão de Francesca fez com que seu rosto esquentasse repentinamente, adquirindo um tom mais corado.

Mesmo com os pensamentos ainda turvos, não foi necessário fazer esforço para compreender o que Francesca estava querendo dizer. Os olhos de Damien se arregalaram momentaneamente e ele engoliu em seco.

- Você nunca...? – Ele deixou a frase morrer, sacudindo a cabeça. – Você é mesmo uma garota única, Francesca.

Passados os primeiros segundos de surpresa, Damien abriu um largo sorriso. Era um pensamento egoísta, mas ele se sentia imensamente feliz em poder ser o primeiro homem a se deitar com Sullivan. Ele seria o primeiro a fazê-la experimentar as melhores sensações, e mais do que nunca, soube o quanto eles eram certos um para o outro.

- Não se preocupe, o Jack não vai contar a ninguém. Eu mesmo vou me encarregar disso. – Seu tom ameaçador alcançaria facilmente o quarto dos meninos. – Mas por falar em facebook...

Scott se inclinou para o lado e pegou o celular de Sullivan esquecido junto com o chá frio e intocado.

- O mundo precisa saber disso, Fran...

Ele ergueu uma das sobrancelhas enquanto tapeava a tela com rapidez. Sem explicar o que estava fazendo, Damien desviou com facilidade das mãos de Francesca e apenas entregou o aparelho para ela, quando havia terminado a sua publicação.

Um sorriso satisfeito era exibido em seu rosto enquanto ele encarava Francesca. Na tela do celular, a página do facebook de Francesca era exibida com a mais recente atualização em sua timeline: Francesca Sullivan estava em um relacionamento sério com Damien Scott.

- Nem ferrando que eu vou deixar você escapar de mim, linda. E nem do seu irmão bitolado eu tenho medo. Bom, talvez um pouco agora... Mas é um risco que estou disposto a correr para manter os outros caras longe de você.
avatar
Damien Scott

Mensagens : 300
Data de inscrição : 17/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Maximilian Cavendish em Sab Jul 23, 2016 9:09 pm

- Eu não vou negar que menti para você. Admito até que algumas mentiras foram quase uma agressão contra a sua inteligência. Mas espero que você entenda que não era tão simples contar a verdade. Aliás, era grande a chance de eu falar a verdade e você achar que era mais uma mentira absurda. “Eu sou um lobisomem” não é o tipo de coisa que se diz e as pessoas normais acreditam com facilidade.

Os dedos de Cavendish repetiram a carícia no rosto da garota, o polegar deslizando sobre a adorável covinha que se formava na bochecha de Samantha quando ela sorria. Max gostava de todos os pequenos detalhes que compunham o rosto delicado de Sam, mas sem dúvida as covinhas eram as suas prediletas.

- Quando eu sugeri um novo encontro depois desta viagem, eu não pretendia ouvir mais pedidos de desculpas. Acho que você já se explicou o suficiente naquela madrugada, Sam. O que eu realmente queria era te dizer que eu estou disposto a esquecer este tropeço e a tentar de novo. Eu realmente menti demais, mas eu também sempre fui sincero sobre os meus sentimentos por você.

Mais uma vez, Maximilian precisou se livrar de todo o seu orgulho para abrir o coração para Samantha. Assim como a garota, Max estava acostumado a ser racional e a ponderar sobre todas as suas escolhas. Mas Sam havia mudado radicalmente este ponto da personalidade do Alpha.

Por ela, Max estava disposto a mergulhar num relacionamento sem nenhuma garantia, a entregar seu coração para uma garota que, se tivesse um pingo de responsabilidade, sairia correndo e se jogaria nos braços do namorado rico e perfeito que estava louco por ela.

- O que aconteceu esta manhã muda tudo e eu vou entender perfeitamente se você não quiser se envolver nesta loucura.

Embora ele soasse compreensivo, a expressão de Max denunciava o quanto o rapaz se sentia atormentado com a chance de Samantha desistir de tudo por causa de sua maldição. Cavendish jamais a julgaria por tal escolha até porque, racionalmente, era o que ele esperava de qualquer garota na situação dela. Não fazia o menor sentido que Sam deixasse a vida estável e confortável com Caleb Stark para se aventurar naquele mundo novo e repleto de riscos.

Depois de uma pausa no seu discurso, Maximilian novamente buscou pelo olhar da menina. Seu coração estava acelerado com a ansiedade pela resposta de Samantha, mas Max teve o cuidado de escolher as melhores palavras para que a menina não se sentisse pressionada.

- Talvez as coisas nunca sejam tão simples entre a gente como você gostaria, mas eu estou disposto a tentar. Enfim, Sam, agora você sabe a verdade e a escolha é sua.
avatar
Maximilian Cavendish
Admin

Mensagens : 97
Data de inscrição : 13/10/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Francesca Sullivan em Sab Jul 23, 2016 9:53 pm

Por mais que soubesse que não tinha nenhum motivo lógico para se envergonhar daquilo, não era confortável para Francesca admitir que ainda era virgem aos dezessete anos. Aquilo certamente seria visto como uma virtude há algumas décadas, mas dentro da Constance Billard School a menina seria encarada como uma aberração.

Embora não tivesse nenhuma amiga além de Samantha em Nova York, Francesca frequentava o vestiário das meninas e estava farta de escutar os relatos detalhados da vida íntima que as colegas levavam com os namorados – e algumas com os amigos dos namorados também. Sullivan nunca falara daquele assunto com Sam, mas secretamente sabia que a amiga não estaria há tantos anos no papel de namorada de Caleb Stark sem nunca ter ultrapassado aquele limite com o garoto.

Francesca não se arrependia das próprias escolhas e estava feliz por ter esperado o cara certo. Mas era incômodo saber que ela não se encaixava no grupo. E era ainda mais desconfortável pensar que Damien poderia julgá-la após aquela revelação.

- Meu irmão é um maluco que anda por aí fortemente armado e ameaça adolescentes inocentes... Isso não ajuda muito, sabia?

Era nítido o esforço de Francesca para diminuir a importância da revelação com aquela brincadeira. Ela estava prestes a pedir que Damien esquecesse aquele assunto quando foi surpreendida pelo rapaz capturando o seu celular.

- O que você está fazendo??? – a voz da menina soou um pouco mais histérica enquanto ela se inclinava na direção de Scott, tentando desesperadamente arrancar o aparelho das mãos dele – Damien! Não!

Por um momento, Sullivan achou que ele realmente usaria o Facebook para publicar aquele segredo no perfil dela. A boca de Francesca se abriu na mais completa surpresa, com um misto de decepção por pensar que Damien teria coragem de expor tanto a vida pessoal dela somente para não perder uma piadinha.

Quando finalmente recebeu o aparelho, Sullivan pensava que já era tarde demais. Mesmo que não tivesse adicionado como amigos muitos colegas da Constance Billard School, bastaria que um deles visse aquela publicação para que a notícia se espalhasse e a vida de Francesca no colégio se tornasse ainda mais infernal.

- Eu não acredito que você fez isso! – Francesca murmurou com uma voz chorosa enquanto buscava na tela a atualização feita por Scott – Eu não acredito que você teve coragem de...

A garota se calou bruscamente quando finalmente viu do que se tratava a publicação de Damien. Os ombros dela relaxaram no mesmo instante e um suspiro de alívio escapou dos lábios entreabertos. Os olhos verdes giraram e era nítido que Francesca estava tentando conter um sorriso de felicidade quando resmungou.

- Quem disse que eu quero estar em um relacionamento sério com Damien Scott? É assim que os lobisomens modernos marcam território hoje em dia? – a garota sacudiu a cabeça, sem conseguir tirar os olhos da tela – O Paolo vai querer comer o seu fígado, espero mesmo que esteja preparado, fofinho.

Uma risada debochada escapou dos lábios de Francesca quando “Jack Morgan” foi o primeiro a curtir a publicação feita por Damien. Dois segundos depois, surgiu o primeiro comentário, também feito pelo mais novo amigo de Scott.

“Eu posso ir junto na lua-de-mel também? Eu gostaria de conhecer a Grécia ou talvez a Áustria.”

Francesca mostrou o comentário para Damien antes de girar os olhos e se acomodar ao lado do namorado na cama.

- Se vamos mesmo levar a nossa babá particular, acho justo que o Jack tenha o direito de votar.
avatar
Francesca Sullivan

Mensagens : 99
Data de inscrição : 23/04/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Alpha Pack

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 6 de 16 Anterior  1 ... 5, 6, 7 ... 11 ... 16  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum